logo
Foco
Foco 14/04/2015

Vendas no comércio caem 3,1% em fevereiro, o maior recuo desde 2003

Depois de crescerem no primeiro mês de 2015, as vendas do comércio varejista brasileiro voltaram a cair em fevereiro.  Na comparação com janeiro, as vendas caíram 0,1% informou o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) nesta terça-feira. O resultado mostra uma desaceleração do setor em relação ao mês anterior, no qual havia ocorrido expansão de 0,8%.

Em relação ao mesmo mês do ano passado, as vendas tiveram queda de 3,1%. Esse é o pior resultado desde agosto de 2003, quando o varejo registrou baixa de 5,7%.

A expectativa em pesquisa da Reuters era de que as vendas subiriam 0,3% em fevereiro na comparação mensal, segundo a mediana de 25 projeções que foram de queda de 1,%o a alta de 1,24%.

Na comparação com o mesmo mês do ano anterior, a expectativa era de recuo de 2,15% na mediana de 22 projeções, que variaram de queda de 3,50% a avanço de 2,0%.

Cinco das oito atividades varejistas pesquisadas pelo IBGE tiveram queda no volume de vendas de janeiro para fevereiro, sendo a maior delas observada no setor de combustíveis e lubrificantes: -5,3%.

Outros setores com queda no volume de vendas foram móveis e eletrodomésticos (-1,3%), equipamento e material para escritório, informática e comunicação (-1,3%), tecidos, vestuário e calçados (-0,7%) e hiper e supermercados (-0,2%).

Três setores tiveram crescimento no volume de vendas: outros artigos de uso pessoal e doméstico (1,8%), livros, jornais, revistas e papelaria (1%) e artigos farmacêuticos, médicos, ortopédicos e de perfumaria (0,8%).

Considerando-se o varejo ampliado, que inclui ainda os segmentos de materiais de construção e de veículos, a queda do volume de vendas foi ainda mais acentuada nesse período: recuo de 1,1%. Os veículos, motos, partes e peças tiveram redução de 3,5%, enquanto os materiais de construção recuaram 0,7%.