logo
Foco
Foco 10/04/2015

Piscina do Palácio de Verão do Governo de SP é foco de dengue

Piscina do Palácio de Verão do Governo de São Paulo é possível foco de dengue | Reprodução/Facebook/Rádio BandNews FM

Piscina do Palácio de Verão do Governo de São Paulo é possível foco de dengue | Reprodução/Facebook/Rádio BandNews FM

Uma piscina, localizada no Palácio de Verão do Governo de São Paulo, encontra-se sem manutenção, repleta de folhas e com água esverdeada, denunciou Mauro Baptista à Rádio BandNews FM. Como a cidade vem sofrendo uma epidemia de dengue, a água parada pode atrair os mosquitos Aedes aegypti.

A piscina está nos fundos do Palácio, situado dentro do Horto Florestal, na zona norte. O Palácio de Verão atualmente está franqueado ao público e, por isso, não está mais sendo usado pelo governo.

Nos feriados, o Horto recebe centenas de visitantes que podem ser infectados pelo mosquito causador da dengue.

Leia mais:
Dengue cresce 153% na capital paulista e avança rumo à zona sul

Mais duas mortes por dengue são confirmadas

A Secretaria Municipal de Saúde de São Paulo confirmou na quinta-feira (9) a morte de mais duas pessoas vitimadas pela dengue: uma jovem, 27 anos, que morava na zona Leste, e uma mulher, 41 anos, moradora da zona sul. Além delas, também morreram em decorrência da doença na capital, só em 2015, um homem de 35 anos, uma idosa e um garoto de 11 anos.

Outros nove óbitos ainda são investigados. Até agora, já foram diagnosticados 8 mil e 43 infectados na cidade.

O secretário adjunto de Saúde, Paulo Puccini, afirmou que as ações da prefeitura conseguiram conter o avanço da dengue na zona norte, mas os números crescem na zona sul, principalmente na região de Cidade Ademar, que já tem 461 doentes. Segundo ele, o ápice da contaminação deve acontecer no próximo mês.

A prefeitura de São Paulo vai instalar nos próximos dias três novas tendas para auxiliar no atendimento aos doentes. As estruturas serão montadas nos bairros do Jaraguá e Freguesia do Ó, na zona norte, e outra na zona sul, em local ainda indefinido.

A Brasilândia, bairro com maior número de casos – 586 confirmados até agora – já tem um desses espaços funcionando.

O secretário adjunto de saúde explicou que a tenda é “para atender pessoas que já estão com suspeita de dengue clinicamente confirmada”.

Segundo a Prefeitura, cerca de 8 mil agentes de zoonoses e comunitários trabalham no combate à dengue em São Paulo.