logo
Foco
Foco 09/04/2015

‘Perder um filho é uma dor sem limite’, diz Geraldo Alckmin

Governador publicou foto com o filho Thomaz no Facebook | Reprodução/Facebook

Governador publicou foto com o filho Thomaz no Facebook | Reprodução/Facebook

“Uma dor sem limite”, disse o governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, sobre a morte do filho caçula, Thomaz. Ele publicou a mensagem e uma foto dos dois no Facebook após retornar da missa de sétimo dia.

A cerimônia foi realizada na noite dessa quarta-feira, na igreja Nossa Senhora do Brasil, nos Jardins, em São Paulo. Na saída o governador falou pela primeira vez aos jornalistas. Ele agradeceu pelas orações e mensagens de apoio. “Confortam a nossa família”, comentou.

No Facebook, o governador lembrou que Thomaz teria completado 32 anos na última segunda-feira e agradeceu mais uma vez as mensagens de apoio que a família tem recebido.

“Perder um filho é uma dor sem limite. Só a fé e a solidariedade dos amigos nos ajudam a suportá-la neste momento. Acabo de retornar da Missa de Sétimo Dia do nosso filho Thomaz. Na segunda-feira, ele teria feito 32 anos. A Lu Alckmin e eu agradecemos a todos pelas mensagens de apoio, solidariedade e carinho. Elas estão sendo muito importantes para nossa família neste momento.”

Um dia antes a primeira-dama, Lu Alckmin, já havia usado o facebook para falar sobre a morte de Thomaz. Foi a primeira vez que ela se manifestou sobre a perda. A mulher do governador publicou uma foto do filho caçula acompanhada de uma reflexão de Santo Agostinho.

O acidente

Thomaz Rodrigues Alckmin e mais quatro pessoas estavam no helicóptero que caiu na região de Carapicuíba, na Grande São Paulo, por volta das 17h da última quinta-feira.

A aeronave da empresa Seripatri Participações havia decolado do Helipark para um voo teste. A principal suspeita é de que uma das pás da hélice tenha se desprendido do helicóptero. Especistas explicam que o problema pode ser comparado ao de um avião sem asa.

Thomaz era piloto profissional, mas não era ele quem estava no comando do helicóptero no dia do acidente. Ele teria sido convidado para participar do voo pelo piloto, com quem tinha amizade.

Além do filho do governador estavam na aeronave os funcionários da empresa Carlos Haroldo Isquerdo Gonçalves, de 53 anos, que pilotava o helicóptero no momento da queda e tinha mais de 30 anos de experiência; e Paulo Henrique Moraes, de 42 anos.

Os outros dois ocupantes, Erick Martinho, de 36 anos, e Leandro Souza, de 34, eram mecânicos da empresa de manutenção Helipark.

| Reprodução/Band

As cinco vítimas do acidente | Reprodução/Band