logo
Foco
Foco 07/04/2015

Suspeito de estuprar funcionária do Metrô em São Paulo é preso

Cabine onde ocorreu o crime permanece fechada | Código19/Folhapress

Cabine onde ocorreu o crime permanece fechada | Código19/Folhapress

Um dos envolvidos no estupro de uma jovem dentro da cabine de recarga do Bilhete Único na Estação República do Metrô de São Paulo foi identificado e preso pela polícia na madrugada desta terça-feira.

A vítima, de 18 anos, trabalhava cabine e foi estuprada dentro do seu posto de trabalho. O caso aconteceu na última quinta-feira, mas só veio à tona nessa segunda, depois que funcionários denunciaram o caso.

A menina era contratada pela empresa Prodata, que presta o serviço de bilhetagem do Metrô. Ela se preparava para sair do trabalho, na noite de quinta-feira, quando foi abordada por dois homens.

Segundo consta no boletim de ocorrência interno do Metrô, antes de sair do quiosque ela tentou enxergar pelo olho mágico a movimentação do lado de fora. O posto onde a jovem trabalhava fica próximo da saída para o Largo do Arouche. O equipamento, no entanto, estava com defeito e ela não teria conseguido visualizar nada.

Foi abordada assim que saiu do quiosque. Ainda segundo o boletim interno, um dos homens amarrou as mãos dela com uma fita adesiva e a estuprou.

Depois do ato, ele abriu a porta do quiosque para que um comparsa entrasse. Os dois tentaram roubar o cofre e a bilheteria, mas não conseguiram.

Eles levaram os celulareas da funcionária e da empresa. Antes de sair do quiosque, eles quebraram uma câmera de monitoramento que havia no local e depois desamarraram a funcionária e disseram que ela só saísse de lá depois de 30 minutos.

Ao deixar o local, ela pediu ajuda aos seguranças do Metrô.

Representantes da Prodata afirmam que estão prestando assistência à vítima e que a ocorrência doi registrada na Delegacia do Metrô. Segundo eles, esta foi a primeira vez que um crime desse tipo aconteceu na empresa.