logo
Foco
Foco 01/04/2015

Dólar fecha o 1º trimestre com a maior alta desde 1999

Casa de câmbio no Rio exibe cotação no início de março | Sergio Moraes/Reuters

Casa de câmbio no Rio exibe cotação no início de março | Sergio Moraes/Reuters

O dólar encerrou o primeiro trimestre com alta acumulada de 20%, em meio a incertezas políticas e econômicas locais e perspectiva de aumento dos juros nos Estados Unidos. Foi a maior valorização da moeda norte-americana em um primeiro trimestre desde 1999, quando o Brasil desvalorizou o real e adotou o regime de câmbio flutuante. No mês, o dólar acumulou apreciação de 11,7%, a maior desde setembro de 2011.

Nesta terça-feira, o dólar, no entanto, fechou com queda de 1,26%, a R$ 3,1909 na venda. O dia foi de atenção à participação do ministro da Fazenda, Joaquim Levy, em audiência no Senado para defender o ajuste fiscal promovido pelo governo e tentar convencer os senadores da sua importância para a economia do país.

“Estamos vendo mais um reflexo ao movimento interno do que externo”, disse à “Reuters” o gerente de câmbio da corretora Treviso, Reginaldo Galhardo, acrescentando que o mercado avalia positivamente a atuação de Levy na condução das mudanças necessárias para a economia.

Bolsa recua em março

O principal índice da Bovespa fechou o último pregão do mês em leve baixa, com o avanço de bancos privados e Petrobras contrabalançando pressão negativa da Vale, após o minério de ferro ter renovado mínima histórica, a US$ 51 a tonelada. O Ibovespa caiu nesta terça 0,18%, a 51.150 pontos. Em março, o índice acumulou queda de 0,84% no mês. No ano, entretanto, a Bolsa tem alta de 2,29%.