Foco

Pacote europeu faz dólar fechar abaixo de R$ 2,60

O dólar caiu abaixo de R$ 2,60 pela primeira vez desde 9 de dezembro, após o BCE (Banco Central Europeu) anunciar um programa de estímulo de 1,1 trilhão de euros. A moeda norte-americana fechou ontem vendido a R$ 2,574, com queda de 1,23%. É o menor valor desde 3 de dezembro, quando encerrou a R$ 2,557.

A cotação do euro teve impacto ainda maior, caindo 4,84%. A moeda fechou vendida a R$ 2,929, abaixo de
R$ 3 pela primeira vez desde 8 de setembro (R$ 2,926).

O presidente do BCE, Mario Draghi, anunciou ontem a compra de títulos públicos para estimular a economia da zona do euro. Com mais dinheiro em circulação, a cotação do euro do dólar tende a cair em todo o planeta.

Esses recursos podem chegar a países emergentes, como o Brasil, por exemplo, com investidores em busca de maiores ganhos financeiros. A alta da taxa de juros promovida  pelo Banco Central brasileiro na quarta, para 12,25% ao ano, torna o mercado brasileiro ainda mais atrativo.

Até setembro de 2016, o BCE injetará 60 bilhões de euros por mês nos países da União Europeia que adotam o euro como moeda. No total, a ajuda chegará a 1,1 trilhão de euros em um ano e nove meses. O BCE também decidiu manter os juros básicos em 0,05% ao ano, no nível mais baixo da história, para combater a deflação.

Investidores já vinham se antecipando à decisão e reduzindo as cotações das moedas nos últimos dias.  “O mercado está animado. A qualquer boa notícia que ouve, tenta buscar níveis ainda mais baixos [para o dólar]”, disse à “Reuters” o gerente de câmbio da Tov, Celso Siqueira. “A dúvida é saber até onde isso chega”.

Bolsa avança 0,44%

A Bovespa teve sua terceira alta consecutiva, embora tenha fechado longe da máxima da sessão. O Ibovespa subiu 0,44%, a 49.442 pontos, depois de ter chegado a avançar cerca de 2%, operando acima dos 50 mil pontos no melhor momento da sessão. O giro financeiro do pregão totalizou R$ 8 bilhões.

A Petrobras foi a maior influência positiva do dia, apesar de ter reduzido os ganhos que chegaram a 6,5% na máxima, diante da queda do preço do petróleo no exterior. A notícia de que os estoques de petróleo nos Estados Unidos cresceram muito mais do que o esperado na semana passada derrubou as cotações da commodity.

A ação preferencial da petroleira, contudo, ainda fechou em alta de 4,38%. 

Tags

Últimas Notícias


Nós recomendamos