Foco

Afundamento de pilar provocou desmoronamento em BH

O afundamento de um pilar provocou o desmoronamento do viaduto em construção em Belo Horizonte, que deixou dois mortos e 23 feridos na última quinta-feira (3). Apesar disso, o presidente do Instituto Brasileiro de Avaliações e Perícias de Engenharia de Minas Gerais, Frederico Coelho, afirma que ainda serão necessárias mais análises no local do acidente.

«A gente ainda tem que analisar. O fato é que este pilar afundou e, neste afundamento, ele comprometeu a estrutura», disse Coelho.

Especialistas do Ibape (Instituto Brasileiro de Avaliações e Perícias) fizeram vistorias nesta sexta na estrutura, que caiu sobre quatro veículos. Eles já sabem que o pilar central ficou com um desnível de sete metros.

O perito Marco Antônio Paiva explicou que o projeto original do Viaduto será comparado com o que foi efetivamente construído. «Nós vamos fazer uma análise prévia dos projetos. A partir daí é que vamos conseguir mensurar qual vai ser nossa estratégia de trabalho, e quanto tempo isso vai levar», afirmou.

Outra obra viária no mesmo local foi vistoriada e por enquanto não há a necessidade de demolição. A decisão, porém, não é definitiva, como ressaltou o capitão do Corpo de Bombeiros Frederico Paschoal.

«O outro viaduto foi vistoriado pelo Corpo de Bombeiros e pela Defesa Civil, a empresa já fez o reforço na estrutura e, assim que forem retirados estes escombros, nova vistoria será realizada para avaliar a necessidade de demolição desde viaduto»,

Em fevereiro, um viaduto que fica a menos de 500 metros do que caiu foi interditado por causa de um deslocamento de 17 centímetros. Os dois foram erguidos pela mesma empresa.

Vítimas fatais do acidente estavam dirigindo 

Os corpos de duas vítimas do acidente foram enterrados na sexta-feira (4).

A motorista Hanna Cristina dos Santos, de 24 anos, dirigia o microônibus que teve a parte dianteira esmagada.

A mãe dela, Analina Santos, destacou que, segundo testemunhas, a reação da filha ao frear o veículo, evitou que houvesse mais mortes. «Estou orgulhosa da minha filha, porque ela salvou a vida dos passageiros, salvou a minha cunhada, que está ali, machucada», disse.

O servente de pedreiro Charlys do Nascimento também foi sepultado no Cemitério de Lagoa Santa, na região metropolitana da capital mineira.

Ele passava de carro pelo local para ir buscar a mulher no trabalho, quando o viaduto caiu e esmagou o veículo dele.

O trânsito no local do acidente ainda não foi liberado. A Avenida Pedro 1º é uma importante via de acesso para o Aeroporto de Confins e para o Mineirão, onde haverá uma semifinal da Copa na próxima terça-feira (8).

A Prefeitura decretou luto de três dias e suspendeu os eventos e exibições públicas de jogos em respeito às famílias das vítimas.

Tags

Últimas Notícias


Nós recomendamos