Estilo de Vida

Telescópio Hubble da NASA capta imagem que revela massa violenta e de aparência caótica no espaço

Uma massa violenta e de aparência caótica de gás e poeira é vista nesta imagem do Telescópio Espacial Hubble de um remanescente de supernova nas proximidades.

Como detalhado pela NASA, por meio de comunicado, Denotado N 63A, o objeto são os restos de uma estrela massiva que explodiu, expelindo suas camadas gasosas em uma região já turbulenta.

O remanescente da supernova é parte de uma região de formação de estrelas na Grande Nuvem de Magalhães (LMC).

Como informado, sendo uma galáxia irregular a 160.000 anos-luz de nossa Via Láctea.

Telescópio Hubble da NASA capta imagem que revela massa violenta e de aparência caótica no espaço

Há muito se pensa que os remanescentes de supernovas podem desencadear episódios de formação de estrelas quando seu choque em expansão encontra gás próximo.

N 63A ainda é jovem, e seus choques implacáveis estão destruindo as nuvens de gás ambiente, ao invés de coagi-las a entrar em colapso e formar estrelas. Veja:

Esta é a impressionante imagem captada pelo telescópio Hubble da NASA de duas galáxias em interação

Também divulgada recentemente pela NASA, esta imagem do telescópio espacial Hubble apresenta duas galáxias em interação que estão tão interligadas que têm um nome coletivo - Arp 91.

Sua delicada dança galáctica ocorre a mais de 100 milhões de anos-luz da Terra. As duas galáxias que compõem o Arp 91 têm seus próprios nomes: a galáxia inferior, que se parece com um ponto brilhante, é NGC 5953, e a galáxia oval no canto superior direito é NGC 5954.

Como detalhado pela NASA, na realidade, ambas são galáxias espirais, mas suas formas parecem muito diferentes por causa de sua orientação em relação à Terra.

O Arp 91 fornece um exemplo particularmente vívido de interação galáctica. A NGC 5953 está claramente puxando a NGC 5954, que parece estar estendendo um braço espiral para baixo. A imensa atração gravitacional das duas galáxias está fazendo com que elas interajam.

Essas interações gravitacionais são comuns e uma parte importante da evolução galáctica. A maioria dos astrônomos pensa que as colisões entre galáxias espirais levam à formação de outro tipo de galáxia, conhecido como galáxias elípticas.

Como detalhado pela NASA, essas colisões extremamente enérgicas e massivas, no entanto, acontecem em escalas de tempo que diminuem a vida de um ser humano.

Ainda de acordo com as informações, ocorrem ao longo de centenas de milhões de anos, então não devemos esperar que o Arp 91 tenha uma aparência diferente ao longo de nossas vidas. Confira:

Texto com informações da NASA

Tags

Últimas Notícias


Nós recomendamos