Estilo de Vida

Hubble da NASA detecta assombroso fenômeno em Júpiter que impressionou cientistas

fenômeno em Júpiter

Em uma situação impressionante, os ventos na «pista» mais externa da Grande Mancha Vermelha de Júpiter estão se acelerando. A importante descoberta só foi possibilitada pelo Telescópio Espacial Hubble da NASA, que monitorou o planeta por mais de uma década.

Os pesquisadores que analisaram os «relatórios de tempestade» regulares do Hubble descobriram que a velocidade média do vento apenas dentro dos limites da tempestade, conhecida como anel de alta velocidade, aumentou em até 8 por cento de 2009 a 2020. 

Em contraste, os ventos perto do vermelho a região mais interna do local está se movendo significativamente mais devagar, como alguém navegando preguiçosamente em uma tarde ensolarada de domingo.

As nuvens de cor carmesim da enorme tempestade giram no sentido anti-horário a velocidades que excedem 400 milhas por hora – e o vórtice é maior do que a própria Terra. A mancha vermelha é lendária em parte porque os humanos a observam há mais de 150 anos.

Como detalhado pela NASA, foram utilizados satélites em órbita terrestre e aviões para rastrear as principais tempestades na Terra de perto em tempo real. 

A mudança nas velocidades do vento que mediram com o Hubble chega a menos de 1,6 milhas por hora por ano terrestre. O monitoramento contínuo do Hubble permite que os pesquisadores revisitem e analisem seus dados com muita precisão à medida que vão acrescentando informações. 

As menores características que o Hubble pode revelar na tempestade têm apenas 105 milhas de diâmetro.

Hubble da NASA detecta assombroso fenômeno em Júpiter que impressionou cientistas 

Para analisar melhor a abundância de dados de Hubble, foi feita uma nova abordagem para sua análise de dados. Ele usou um software para rastrear dezenas a centenas de milhares de vetores de vento (direções e velocidades) cada vez que Júpiter era observado pelo Hubble. 

Como detalhado pela NASA, astrônomos têm buscado estudos contínuos sobre o «rei» das tempestades do sistema solar desde a década de 1870. A Grande Mancha Vermelha é uma ressurgência de material do interior de Júpiter. 

Se vista de lado, a tempestade teria uma estrutura de bolo de casamento em camadas com nuvens altas no centro caindo em cascata para suas camadas externas. 

Os astrônomos notaram que ele está diminuindo de tamanho e se tornando mais circular do que oval em observações que abrangem mais de um século. O diâmetro atual tem 10.000 milhas de diâmetro, o que significa que a Terra ainda pode caber dentro dele.

Telescópio Espacial Hubble da NASA

Como detalhado pela NASA, além de observar essa tempestade lendária e de longa duração, os pesquisadores observaram tempestades em outros planetas, incluindo Netuno, onde tendem a viajar pela superfície do planeta e desaparecer em apenas alguns anos. 

Pesquisas como essa ajudam os cientistas não apenas a aprender sobre os planetas individuais, mas também a tirar conclusões sobre a física subjacente que conduz e mantém as tempestades dos planetas.

  1. Agência transforma informações captadas no espaço em áudio e resultado ‘macabro’ é impressionante
  2. Descobertas as primeiras radiografias do planeta distante Urano por meio de observatório da NASA

Ainda de acordo com informações, a maioria dos dados para apoiar esta pesquisa veio do programa Outer Planets Atmospheres Legacy do Hubble.

Que fornece visualizações globais anuais do Hubble dos planetas externos que permitem aos astrônomos procurar mudanças nas tempestades, ventos e nuvens dos planetas. Confira: 

NASA, ESA, Michael H. Wong (UC Berkeley)

Texto com informações da NASA

LEIA TAMBÉM:

Tags

Últimas Notícias


Nós recomendamos