logo
Estilo de Vida
/ ESA/Hubble, NASA, and G. Piotto et al. / ESA/Hubble, NASA, and G. Piotto et al.
Estilo de Vida 10/09/2021

‘Fórmula mágica’: Hubble detecta estrelas misteriosas que queimam hidrogênio e envelhecem lentamente

Por : Metro World News

Em uma espécie de ‘fórmula mágica’, o Telescópio Hubble da Agência Espacial Americana (NASA) detectou estrelas misteriosas que queimam hidrogênio e envelhecem lentamente.

Como revelado, por meio de comunicado, novas evidências do telescópio espacial sugerem que estrelas anãs brancas podem continuar a queimar hidrogênio nos estágios finais de suas vidas, fazendo com que pareçam mais jovens do que realmente são. 

Esta descoberta pode ter consequências sobre como os astrônomos medem a idade dos aglomerados de estrelas, que contêm as estrelas mais antigas conhecidas no universo.

Esses resultados desafiam a visão predominante das anãs brancas como estrelas inertes, resfriando lentamente e queimadas onde a fusão nuclear parou. 

Como detalhado pela NASA, agora, um grupo internacional de astrônomos descobriu a primeira evidência de que as anãs brancas podem diminuir sua taxa de envelhecimento queimando hidrogênio em suas superfícies.

As anãs brancas abandonaram suas camadas externas durante os últimos estágios de suas vidas. Eles são objetos comuns no cosmos; cerca de 98% de todas as estrelas do universo acabarão por se tornar anãs brancas, incluindo nosso próprio sol. 

Hubble detecta estrelas misteriosas que queimam hidrogênio e envelhecem lentamente

O estudo desses estágios de resfriamento ajuda os astrônomos a entender não apenas as anãs brancas, mas também seus estágios iniciais.

Para investigar a física subjacente à evolução das anãs brancas, os astrônomos compararam o resfriamento das anãs brancas em duas coleções massivas de estrelas: os aglomerados globulares M3 e M13. 

Como detalhado pela NASA, esses dois aglomerados compartilham muitas propriedades físicas, como idade e metalicidade, mas as populações de estrelas que eventualmente darão origem às anãs brancas são diferentes. 

Isso torna M3 e M13 juntos um laboratório natural perfeito para testar como diferentes populações de anãs brancas se resfriam.

Usando a Wide Field Camera 3 do Hubble, a equipe observou M3 e M13 em comprimentos de onda quase ultravioleta, o que é ideal para encontrar objetos estelares azuis e tênues nos aglomerados globulares. 

Isso permitiu aos pesquisadores comparar mais de 700 anãs brancas nos dois aglomerados. Eles descobriram que a M3 contém anãs brancas padrão, que são simplesmente núcleos estelares de resfriamento. 

‘Fórmula mágica’

M13, por outro lado, contém duas populações de anãs brancas: anãs brancas padrão e aquelas que conseguiram manter um envelope externo de hidrogênio, permitindo-lhes queimar por mais tempo e, portanto, resfriar mais lentamente.

Como detalhado pela NASA, comparando seus resultados com simulações de computador da evolução estelar em M13, os pesquisadores conseguiram mostrar que cerca de 70% das anãs brancas em M13 estão queimando hidrogênio em suas superfícies, diminuindo a taxa de resfriamento. 

Com isso, o hidrogênio teria sido fornecido pelas camadas externas da estrela vazando para o espaço.

Telescópio Hubble da NASA

Essa descoberta pode ter consequências sobre como os astrônomos medem a idade das estrelas na galáxia da Via Láctea. 

Como detalhado pela NASA, a evolução das anãs brancas foi modelada anteriormente como um processo de resfriamento previsível. 

Essa relação relativamente direta entre idade e temperatura levou os astrônomos a usar a taxa de resfriamento da anã branca como um relógio natural para determinar as idades dos aglomerados de estrelas, particularmente aglomerados globulares e abertos. 

Ainda de acordo com as informações, no entanto, as anãs brancas queimando hidrogênio podem fazer com que essas estimativas de idade sejam imprecisas em até um bilhão de anos. Confira: 

Estrelas misteriosas
ESA/Hubble, NASA, and G. Piotto et al.

Com informações da NASA

LEIA TAMBÉM: