logo
/ NASA/JPL-Caltech/SETI Institute / NASA/JPL-Caltech/SETI Institute
Estilo de Vida 12/07/2021

Alienígenas no espaço? NASA encontra indícios que lua de Júpiter pode ter condições adequadas para a vida

Por : Metro World News

A lua de Júpiter, Europa, e seu oceano podem atualmente ter condições adequadas para a vida. Os cientistas da Agência Espacial Americana (NASA) estão estudando processos na superfície gelada enquanto se preparam para explorar.

Como revelado pela instituição, por meio de comunicado, é fácil ver o impacto dos detritos espaciais em nossa Lua, onde a superfície antiga e danificada está coberta de crateras e cicatrizes. 

A lua gelada de Júpiter, Europa, também resiste a um golpe semelhante – junto com um golpe de radiação superintensa. Conforme a superfície superior da lua gelada se agita, o material trazido à superfície é eletrocutado por radiação de elétrons de alta energia acelerada por Júpiter.

Cientistas financiados pela NASA estão estudando os efeitos cumulativos de pequenos impactos na superfície de Europa enquanto se preparam para explorar a lua distante com a missão Europa Clipper e estudar as possibilidades de uma futura missão de pouso. 

Europa é de interesse científico particular porque seu oceano salgado, que fica sob uma espessa camada de gelo, pode atualmente ter condições adequadas para a vida existente. Essa água pode até chegar à crosta gelada e à superfície da lua.

Como revelado pela NASA, uma nova pesquisa e modelagem estimam o quão baixo essa superfície é perturbada pelo processo chamado “jardinagem de impacto”. 

O trabalho, publicado em 12 de julho na Nature Astronomy, estima que a superfície da Europa foi agitada por pequenos impactos a uma profundidade média de cerca de 30 centímetros ao longo de dezenas de milhões de anos. 

NASA encontra indícios que lua de Júpiter pode ter condições adequadas para a vida

E quaisquer moléculas que possam ser qualificadas como bioassinaturas potenciais, que incluem sinais químicos de vida, podem ser afetadas nessa profundidade.

Isso porque os impactos levariam algum material para a superfície, onde a radiação provavelmente quebraria as ligações de quaisquer moléculas grandes e delicadas em potencial geradas pela biologia. Enquanto isso, algum material na superfície seria empurrado para baixo, onde poderia se misturar com a subsuperfície.

“Se esperamos encontrar bioassinaturas químicas imaculadas, teremos que olhar abaixo da zona onde os impactos estão ocorrendo”, disse a autora principal Emily Costello, cientista pesquisadora planetária da Universidade do Havaí em Manoa. “Bioassinaturas químicas em áreas mais rasas do que aquela zona podem ter sido expostas à radiação destrutiva.”

Como revelado pela NASA,  embora se tenha entendido que a jardinagem de impacto provavelmente está ocorrendo em Europa e em outros corpos sem ar do sistema solar, a nova modelagem fornece a imagem mais abrangente do processo. 

Na verdade, é o primeiro a levar em consideração os impactos secundários causados ​​por detritos que chovem de volta na superfície de Europa após serem chutados por um impacto inicial. A pesquisa defende que as latitudes médias a altas de Europa seriam menos afetadas pelo golpe duplo da jardinagem de impacto e da radiação.

NASA Júpiter
NASA/JPL-Caltech

Lua Europa de Júpiter 

“Este trabalho amplia nossa compreensão dos processos fundamentais nas superfícies do sistema solar”, disse Cynthia Phillips, cientista da Europa no Laboratório de Propulsão a Jato da NASA no sul da Califórnia e co-autora do estudo.

“Se quisermos entender as características físicas e como os planetas em geral evoluem, precisamos entender o papel que a jardinagem tem na sua reformulação”.

Ainda de acordo com as informações, gerenciado pelo JPL para a NASA, o Europa Clipper ajudará a desenvolver esse entendimento. 

A espaçonave, com o objetivo de um lançamento em 2024, conduzirá uma série de sobrevoos próximos da Europa enquanto orbita Júpiter. 

Ele carregará instrumentos para fazer um levantamento completo da lua, bem como amostrar a poeira e gases que são lançados acima da superfície. Confira: 

NASA Júpiter
NASA/JPL-Caltech/SETI Institute

Texto com informações da NASA

LEIA TAMBÉM: