logo
/ NASA / JPL-Caltech / NASA / JPL-Caltech
Estilo de Vida 09/07/2021

Equipamento especializado da NASA rastreia onda de calor recorde no noroeste do Pacífico e preocupa cientistas

Por : Metro World News

Um equipamento especializado da Agência Espacial Americana (NASA) captou recentemente uma onda de calor recorde no noroeste do Pacífico, preocupando cientistas.

Como revelado pela NASA, por meio de comunicado, uma onda de calor sem precedentes que começou por volta de 26 de junho quebrou vários recordes históricos de temperatura no noroeste do Pacífico e no oeste do Canadá. 

O Sondador Infravermelho Atmosférico (AIRS), a bordo do satélite Aqua, capturou a progressão desta cúpula de calor em movimento lento em toda a região de 21 a 30 de junho. 

Uma animação de alguns dos dados AIRS mostra anomalias da temperatura do ar na superfície – valores acima ou abaixo das médias de longo prazo. 

Como revelado pela NASA, a temperatura do ar da superfície é algo que as pessoas sentem diretamente quando estão do lado de fora.

Em muitos casos, as máximas excederam os registros de temperatura anteriores em vários graus ou mais. Em 28 de junho, Quillayute, Washington, estabeleceu um recorde histórico de alta temperatura de 110 graus Fahrenheit (43 graus Celsius), quebrando o antigo recorde de 99 graus Fahrenheit (37 graus Celsius). 

Inúmeras estações meteorológicas bateram recordes em dias consecutivos.

Mostrando a natureza sem precedentes desse calor extremo, que também está sendo responsabilizado por uma série de fatalidades. 

Equipamento especializado da Agência Espacial Americana rastreia onda de calor recorde no noroeste do Pacífico 

Na Colúmbia Britânica, a vila de Lytton estabeleceu um novo recorde histórico para o Canadá em 119 graus Fahrenheit (48 graus Celsius) em 29 de junho, apenas para quebrá-lo no dia seguinte com uma leitura de 121 graus Fahrenheit (49 graus Celsius).

Como revelado pela NASA, o instrumento AIRS registrou anomalias de temperatura semelhantes a uma altitude de cerca de 10.000 pés (3.000 metros), mostrando que o calor extremo também afetou as regiões montanhosas. 

E anomalias de temperatura em cerca de 18.000 pés (5.500 metros) demonstraram que a cúpula de calor se estendeu alto na troposfera da Terra, criando as condições para o calor intenso na superfície do planeta que normalmente são encontrados mais ao sul.

O AIRS, em conjunto com a Unidade Avançada de Sondagem de Microondas (AMSU), detecta a emissão de radiação infravermelha e de micro-ondas da Terra para fornecer uma visão tridimensional do tempo e do clima do planeta. 

Como revelado pela NASA, trabalhando em conjunto, os dois instrumentos fazem observações simultâneas da superfície da Terra. 

Onda de calor
NASA / JPL-Caltech

Importante mapa tridimensional global de temperatura 

Como informado, conta com mais de 2.000 canais detectando diferentes regiões da atmosfera.

Com isso, o sistema cria um mapa tridimensional global de temperatura e umidade atmosférica, quantidades e alturas de nuvens, concentrações de gases de efeito estufa e muitos outros fenômenos atmosféricos. 

Ainda de acordo com as informações, foram lançados na órbita da Terra em 2002 a bordo da espaçonave Aqua da NASA. 

Os instrumentos AIRS e AMSU são gerenciados pelo Laboratório de Propulsão a Jato da NASA no sul da Califórnia, sob contrato com a NASA. Confira animação de alguns dos dados AIRS em vídeo: 

Texto com informações da NASA

LEIA TAMBÉM: