logo
/ X-ray: NASA/CXO/University College London/W. Dunn et al; Optical: W.M. Keck Observatory
Estilo de Vida 21/04/2021

Descobertas as primeiras radiografias do planeta distante Urano por meio de observatório da NASA

Determinar as fontes dos raios-X de Urano pode ajudar os astrônomos a entender melhor como objetos mais exóticos no espaço.

Por : Metro World News

Astrônomos detectaram recentemente raios-X do planeta Urano, pela primeira vez, utilizando o Observatório de Raios-X Chandra da NASA. Conforme revelado, por meio de comunicado (texto com informações da NASA), este resultado pode ajudar os cientistas a aprender mais sobre este enigmático planeta gigante de gelo em nosso sistema solar.

Urano é o sétimo planeta a partir do Sol e tem dois conjuntos de anéis ao redor de seu equador. O planeta, que tem quatro vezes o diâmetro da Terra, gira de lado, o que o torna diferente de todos os outros planetas do sistema solar. 

Como a Voyager 2 foi a única espaçonave a voar por Urano, os astrônomos atualmente contam com telescópios muito mais próximos da Terra, como o Chandra e o Telescópio Espacial Hubble, para aprender sobre este planeta distante e frio que é composto quase inteiramente de hidrogênio e hélio.

Como revelado pela NASA, no novo estudo, os pesquisadores utilizaram observações do Chandra feitas em Urano em 2002 e novamente em 2017. Eles viram uma detecção clara de raios-X a partir da primeira observação, recentemente analisada, e um possível surto de raios-X naqueles obtidos quinze anos depois. 

O gráfico principal mostra uma imagem de raios-X Chandra de Urano de 2002 (em rosa) sobreposta a uma imagem óptica do Telescópio Keck-I obtida em um estudo separado em 2004. Este último mostra o planeta aproximadamente na mesma orientação que estava durante as observações do Chandra em 2002.

Urano – primeiro planeta a ser descoberto por meio de um telescópio.

Como revelado pela NASA, o que pode fazer com que Urano emita raios-X? A resposta: principalmente o sol. 

Descobertas as primeiras radiografias do planeta distante Urano por meio de observatório da NASA.
X-ray: NASA/CXO/University College London/W. Dunn et al; Optical: W.M. Keck Observatory

Os astrônomos observaram que tanto Júpiter quanto Saturno espalham a luz de raios-X emitida pelo Sol, semelhante à forma como a atmosfera da Terra espalha a luz solar. 

Embora os autores do novo estudo de Urano inicialmente esperassem que a maioria dos raios-X detectados também fossem de espalhamento, há indícios tentadores de que pelo menos uma outra fonte de raios-X está presente. 

Como detalhado, se outras observações confirmarem isso, isso pode ter implicações interessantes para a compreensão de Urano.

Uma possibilidade é que os anéis de Urano estejam produzindo raios-X eles próprios, o que é o caso dos anéis de Saturno. 

Urano é cercado por partículas carregadas

Urano é cercado por partículas carregadas, como elétrons e prótons, em seu ambiente espacial próximo. Se essas partículas energéticas colidirem com os anéis, podem fazer com que os anéis brilhem em raios-X. 

Como revelado pela NASA, outra possibilidade é que pelo menos alguns dos raios-X venham de auroras em Urano, um fenômeno que já foi observado neste planeta em outros comprimentos de onda. 

Na Terra, podemos ver shows de luz colorida no céu chamados auroras, que acontecem quando partículas de alta energia interagem com a atmosfera.

Os raios X são emitidos nas auroras da Terra, produzidos por elétrons energéticos depois que eles viajam pelas linhas do campo magnético do planeta até seus pólos e são retardados pela atmosfera. Júpiter também tem auroras. 

Como revelado pela NASA, os raios X das auroras em Júpiter vêm de duas fontes: elétrons viajando pelas linhas do campo magnético, como na Terra, e átomos e moléculas carregados positivamente chovendo nas regiões polares de Júpiter. 

Observações de Chandra 

No entanto, os cientistas têm menos certeza sobre o que causa as auroras em Urano. As observações de Chandra podem ajudar a descobrir esse mistério.

Urano é um alvo especialmente interessante para observações de raios-X por causa das orientações incomuns de seu eixo de rotação e seu campo magnético. 

Como revelado pela NASA, enquanto os eixos de rotação e campo magnético dos outros planetas do sistema solar são quase perpendiculares ao plano de sua órbita, o eixo de rotação de Urano é quase paralelo ao seu caminho ao redor do sol. 

Além disso, enquanto Urano está inclinado de lado, seu campo magnético é inclinado em uma quantidade diferente e deslocado do centro do planeta. Isso pode fazer com que suas auroras sejam extraordinariamente complexas e variáveis.

Ainda de acordo com as informações, determinar as fontes dos raios-X de Urano pode ajudar os astrônomos a entender melhor como objetos mais exóticos no espaço, como buracos negros em crescimento e estrelas de nêutrons, emitem raios-X.

Texto com informações da NASA

LEIA TAMBÉM: