logo
/ Rani George/Unsplash
Estilo de Vida 30/09/2020

Consumidor já sente no bolso alta no preço do óleo de soja

O preço do óleo de soja disparou entre agosto e setembro deste ano. No início deste mês, de acordo com o Instituto Mato-grossense de Economia Agrícola, o produto chegou a custar mais de R$ 5 mil por tonelada – o maior valor nominal da série histórica do órgão.

A alta repentina tem levado consumidores a buscar alternativas para reduzir os gastos com o produto, aliviando a pressão já alta sobre o bolso em tempos de pandemia.

QUER RECEBER A EDIÇÃO DIGITAL DO METRO JORNAL TODAS AS MANHÃS POR E-MAIL? É DE GRAÇA! BASTA SE INSCREVER AQUI.

LEIA MAIS:
Taxa de desemprego fica em 13,8% no trimestre até julho, afirma IBGE
Debate na Band promete estimular confronto entre candidatos nesta quinta

O valor impacta, além dos consumidores finais, grandes e pequenos empresários do setor de alimentação, incluindo redes de fast food e cozinhas de grande escala.

No entanto, a disparada do óleo de soja é oportunidade para outras empresas. A Zini Alimentos, de origem italiana e presente com fábrica na Zona Norte de São Paulo, desenvolveu uma farinha para empanar que promete reduzir o consumo de óleo no processo de fritura.

O fundador Enrico Vezzani afirma que tal tecnologia reduz o uso de óleo em até 70%, diminuindo não apenas os gastos com o subproduto, mas também o impacto na saúde.

A farinha de nome Fioccopan já é conhecida no setor de food service, mas, segundo a Zini, também tem conquistado espaço no varejo, com vendas na loja virtual da empresa e em sua loja de fábrica em São Paulo, que também conta com um restaurante, o Piazza Zini, onde são servidos pratos feitos com a farinha. (ANSA)