logo
Pesquisadora Alicia Bui da Universidade de Michigan testa amostra de sangue de pacientes recuperados da covid-19 / Karen Ducey/Getty Images
Estilo de Vida 30/09/2020

Estudos detalham uso de anticorpos para bloquear e amenizar infecções pela covid-19

A aplicação de anticorpos contra a covid-19 para bloquear ações do vírus e amenizar os efeitos da infecção tem mostrado bons resultados em pesquisas por todo o mundo. Nesta quarta-feira (30), dois estudos detalharam os efeitos do tratamento em pacientes e moléculas isoladas.

Um deles, desenvolvido pela Universidade de Washington e publicado na revista “Science”, descobriu dois superanticorpos que bloqueiam a entrada do vírus nas células, agindo como mecanismos de defesa ligeiramente diferentes entre si.

Administrados em pequenas doses, separada ou conjuntamente, eles conseguiram prevenir a infecção causada pelo Sars-CoV-2 em ratos.

QUER RECEBER A EDIÇÃO DIGITAL DO METRO JORNAL TODAS AS MANHÃS POR E-MAIL? É DE GRAÇA! BASTA SE INSCREVER AQUI.

LEIA MAIS:
Ex-secretário de educação do RJ é preso preventinamente
Lei Aldir Blanc: Prefeitura de SP abre cadastro para pagamento de auxílio a espaços culturais

A pesquisa internacional contou com a participação do Hospital Sacco, de Milão. Segundo um dos estudiosos italianos, Massimo Galli, os dois novos anticorpos neutralizadores, chamados de S2E12 e S2M11, são “muito promissores para os desenvolvimentos futuros no tratamento da Covid-19”.

A descoberta foi feita analisando novamente quase 800 anticorpos isolados de 12 pacientes curados das infeções. O mecanismo de ação deles foi estudado em nível molecular graças a um supermicroscópio crioeletrônico, a tecnologia premiada no prêmio Nobel de Química de 2017.

Assim, foi possível descobrir que os dois anticorpos conseguem “grudar” no receptor Ace-2 da célula hospedeira e agem de maneira diferente para o bloqueio: o S2M11, em particular, consegue bloquear a famosa proteína Spike que o vírus usa como uma chave para entrar na célula.

Potência reduzida
Um segundo estudo publicado nesta quarta refere-se ao coquetel de anticorpos monoclonais desenvolvido pela empresa Regeneron em parceira com a Roche.

Chamado de REGN-COV2, o coquetel já está na fase dois de testes e os resultados começaram a ser revelados. Os dados preliminares mostram que 275 pacientes – dos mil que ainda estão sendo testados – apresentaram um efeito positivo ao tomarem os medicamentos, como a redução de sintomas e uma diminuição sensível na concentração do vírus na garganta e nas mucosas do paciente.

Nenhum dos pacientes estava internado em hospitais, mas os que tomaram a medicação tiveram pouca necessidade de visitas médicas.

A Regeneron anunciou que deve publicar em breve os resultados finais e que já está em negociação com a Administração de Alimentos e Drogas dos Estados Unidos (FDA, na sigla em inglês) para obter uma autorização de emergência para a venda. (ANSA).