logo
Estilo de Vida
Estilo de Vida 22/04/2015

Com a reinvenção dos coquetéis, gim volta à moda

O drinque negroni pode ser enfeitado com uma rodela de pepino | Divulgação

O drinque negroni pode ser enfeitado com uma rodela de pepino | Divulgação

Muito na moda nos anos 1950 e 1960, o gim, bebida destilada à base de cereais e especiarias, voltou recentemente com tudo, com a reinvenção dos coquetéis. Agora, o popular gim-tônica não brilha mais sozinho nos cardápios dos bares e restaurantes. Novas receitas se somam às clássicas e ganham a preferência dos consumidores.

De acordo com a someliére Giuliana Ferreira, que representa a marca escocesa Hendrick’s no Brasil, a bebida voltou com tudo ao país de dois anos para cá. “Veio principalmente com os novos bartenders, que vêm criando outros coquetéis. Mas os clássicos também acabaram voltando”, diz Giuliana.

Gradução alcoolica é de 45% | Divulgação

Gradução alcoolica é de 45% | Divulgação

Os mais populares continuam sendo o gim-tônica, feito com gim, água tônica e uma rodela de limão; o dry-martini, feito com gim, vermute e limão; e o negroni, com gim, vermute rosso e campari, decorado com uma fatia fina de pepino fresco ou uma fatia de laranja.

A somèliere diz que os drinques com gim são mais usados como entrada, mas que também podem ser consumidos para acompanhar refeições. “Harmonizam bem com comida japonesa, por exemplo, devido ao seu frescor”, conta.

Com graduação alcoólica em torno dos 45%, o gim não é uma bebida que costuma ser tomada pura. Mas como tem adição de componentes botânicos, principalmente o zimbro, tem um sabor muito marcante, que se sobressai nos drinques. A marca Hendrick’s, por exemplo, tem 11 botânicos na receita, com o zimbro em maior porcentagem.