Esporte

Sequestro, roubo e derretimento: a história da Taça Jules Rimet, o primeiro troféu da Copa do Mundo

Como brasileiros, tivemos a oportunidade de ver nossa seleção levantar a taça da Copa do Mundo cinco vezes. Mas se você acha que o troféu foi sempre o mesmo, viemos relembrar um crime não resolvido que faz parte da história do futebol até hoje.

O primeiro troféu da Copa foi criado em 1930 para a inauguração da competição. Ele foi chamado de Jules Rimet para homenagear o ex-presidente da Fifa que levava o mesmo nome.

Na imagem feita de prata esterlina revestida de ouro, a deusa Nike segurava uma figura octogonal representando a vitória.

O objeto media 35 centímetros e pesava cerca de 3,8 quilos. Além disso, sua base azul tinha pedras semipreciosas incrustadas.

Além do valor para a história do futebol, a taça também possuía um grande valor comercial. Segundo uma reportagem da BBC à época, o troféu era avaliado em £30 mil (R$ 114 mil).

O primeiro desaparecimento da Jules Rimet

Por conta da Segunda Guerra Mundial em 1939, o então vice-presidente italiano da Fifa, Ottorino Barassi, tomou uma medida radical para impedir que as forças nazistas tomassem posse do troféu.

Dessa forma, ele resolveu remover secretamente a taça do banco onde ela era mantida em Roma e a escondeu dentro de uma caixa de sapato, mantendo-a sã e salva debaixo da sua cama.

O sequestro da Jules Rimet

Em 20 de março de 1966, a taça desapareceu novamente, dessa vez de uma exposição em Londres.

O roubo ocorreu após o Brasil – que havia sido campeão em 1962 – deixar que o objeto fosse exibido no país.

Na época, faltavam apenas quatro meses para Copa na Inglaterra e uma força tarefa de policiais ingleses trabalhou para solucionar o caso.

Um pedido de resgate chegou a ser enviado, mas um cachorrinho chamado Pickles foi mais rápido e achou o bem valioso embrulhado em papéis de jornal em um jardim.

O suspeito Edward Betchley declarou que realizou o roubo a mando de outra pessoa e passou apenas dois anos preso por extorsão.

A última vez que Jules Rimet foi vista

Após o primeiro susto, a taça foi mantida em uma caixa de vidro à prova de balas na sede da Confederação Brasileira de Futebol (CBF) no Rio de Janeiro.

O ano era 1983 e, apesar da segurança, nada impediu que o troféu desaparecesse novamente, dessa vez para sempre.

O roubo foi planejado por Sérgio Peralta, representante do Atlético-MG na CBF e que tinha grande conhecimento do prédio.

Seus dois comparsas Chico Barbudo e Luiz Bigode colocaram o plano em prática e, após arrombar a câmara de vidro do local, alegam terem entregado a taça para que um comerciante de ouro argentino a derretesse.

O mais curioso dessa história toda é que no mesmo prédio, uma réplica da Jules Rimet era guardada em um cofre, enquanto a original era exposta.

Na época, quatro envolvidos foram condenados, mas passaram poucos anos presos.

Taça Fifa

O troféu que conhecemos hoje é a Taça Fifa, criada pelo artista italiano Silvio Gazzaniga. Ela tem 36 centímetros de altura e pesa 4,97 quilos.

Sua base é feita de malaquita – um metal semiprecioso – e a imagem que mostra dois jogadores no momento da celebração da vitória e o globo terrestre, foi produzida em ouro 18 quilates.

Atualmente, os campeões não recebem a posse definitiva do troféu e, para ganhar uma réplica do objeto, precisam vencer a competição três vezes.

Tags

Últimas Notícias


Nós recomendamos