Esporte

Livro traz textos do idealizador dos Jogos Olímpicos da era moderna

Coubertin quando jovem | Comitê Brasileiro Pierre de Coubertin
Coubertin quando jovem | Comitê Brasileiro Pierre de Coubertin

Idealizador dos Jogos Olímpicos da era moderna, o barão Pierre de Coubertin tem seu nome repetido e vinculado às competições olímpicas com frequência, o que lhe dá fama. Mas poucos sabem a fundo sobre sua vida, suas ideias e seus ideais. O que o transforma em um ilustre desconhecido. No momento em que o Brasil, primeiro país lusófono a receber os Jogos, será o centro das atenções, surge a oportunidade de popularizar a sua imagem.

Prolixo escritor, o francês redigiu mais de 16 mil páginas. Parte desta obra foi traduzida pela primeira vez para o português. Organizado por Norbert Müller e Nelson Todt, e traduzido por Luiz Carlos Bombassaro, o livro “Pierre de Coubertin (1863-1937): Olimpismo”   traz os principais textos escritos pelo barão relacionados à sua ideia olímpica.

“Ele era um visionário. Enxergava coisas que não ficavam claras para as pessoas. No começo, sua ideia não foi aceita. As pessoas não tinham visão de futuro. Era uma época que não se tinha interesse na integração das pessoas e dos povos”, explica Todt, presidente do Comitê Brasileiro Pierre de Coubertin e membro do Comitê Internacional Pierre de Coubertin.

O livro conta com prefácio de Thomas Bach, presidente do Comitê Olímpico Internacional, e teve edição impressa limitada, mas a EdiPUCRS disponibiliza a versão digital gratuitamente.

As ideias mais marcantes podem ser vistas na cerimônia de abertura dos Jogos, onde aparecem os valores do olimpismo através de diversas simbologias e rituais. “Suas ideias seguem vivas com pessoas que comungam desses ideais. Alguns valores ainda sobrevivem. Ele via o esporte como uma ferramenta para a integração”, ressalta Todt.

Os textos expõem as visões de Coubertin, como se a cada ideia ele estivesse se apresentando mais um pouco. E a cada página, o leitor poderá dizer “obrigado e prazer em conhecê-lo, Pierre de Coubertin”.

Tags

Últimas Notícias


Nós recomendamos