logo
Esporte
Esporte 23/04/2015

Tite garante que não pensou em rival: ‘Achei que era o Atlético-MG’

Tite preferiu não comentar sobre a arbitragem do Majestoso | Paulo Whitaker/Reuters

Tite preferiu não comentar sobre a arbitragem do Majestoso | Paulo Whitaker/Reuters

O Corinthians foi para o intervalo na partida contra o São Paulo perdendo por 2 a 0. O resultado já indicava que o alvinegro teria assim o Guarani do Paraguai pela frente nas oitavas de final da Libertadores. Questionado se o time preferiu segurar o resultado para pegar um adversário teoricamente mais fraco, já que poderia enfrentar um brasileiro caso marcasse um gol, o técnico Tite negou.

Leia mais:

Duelos brasileiros são destaques nas oitavas da Libertadores; veja confrontos

“Vou falar apenas uma vez e dou minha palavra de honra. Quando o jogo acabou, estava pensando que nosso adversário era o Atlético-MG. Essa é minha palavra. Não vou falar mais”, declarou o comandante alvinegro.

Sobre o jogo, o treinador preferiu não comentar sobre a arbitragem. O Majestoso teve muitos cartões e três jogadores expulsos de maneira questionáveis, Emerson Sheik e Mendonza pelo Corinthians e Luis Fabiano pelo São Paulo. Tite falou que a imprensa já conta com comentaristas de arbitragem e que não vai entrar nessa polêmica.

“Não vou falar sobre arbitragem. Vocês já tem especialistas para tratar isso. Fizemos um primeiro tempo abaixo do padrão normal, por´[em tiveram alguns incidentes de determinaram isso. O São Paulo começou melhor e depois perdemos o nosso jogador de velocidade. Tentei esperar para ver como o time reagiria, mas fomos para o intervalo com o jogo definido”, disse o treinador.

‘Ninguém passa a mão na cabeça’, diz Tite sobre Sheik

Aos 19 minutos do primeiro tempo, Emerson foi expulso e deixou o Corinthians com um a menos. No lance, o atacante levou um pisão de Toloi, e revidou com um leve toque, sem bola, para derrubar o são-paulino. Sheik recebeu o cartão vermelho direto e é desfalque certo no jogo de ida contra o Guaraní, no Paraguai.

Tite se negou a revelar se vai tomar qualquer medida sobre a expulsão do atacante. Mas sinalizou que o episódio não passará em branco.

“Vocês não vão tirar de mim coisas que são de cunho interno. Os problemas de vestiário ficam dentro do vestiário. Tenho bastante tempo e credibilidade com o torcedor para dizer que ninguém passa a mão na cabeça de ninguém, mas não vou passar para fora o que é de vestiário. Claro que não queremos ter jogadores expulsos, mas tenho bagagem para dizer que disciplina eu prezo muito”, declarou o técnico após a derrota para o São Paulo.

O diretor de Futebol do clube, Sérgio Janikian, afirmou que sequer viu o lance, mas se negou a comentar.

“Difícil julgar. Eles são jogadores, eles que estão no campo. As atitudes saem deles próprios. Não tenho como julgar, nem vi o lance, não sei o que aconteceu”, disse o cartola.

Já o presidente Roberto de Andrade tratou o lance como “normal”. “É do jogo, ele está trabalhando. Ficam querendo fazer um inferno, que ele vai ser mandado embora. Isso não interfere na renovação”, garantiu.

Emerson se defende: “Minha perna está machucada”

Um lance aos 19 minutos da etapa inicial marcou o jogo entre São Paulo e Corinthians, nesta quarta-feira, no estádio do Morumbi. Expulso por agredir o zagueiro Rafael Tolói com um chute, o atacante Emerson se defendeu e ressaltou que está com a perna machucada.

“Quero me silenciar nesse momento, pois ainda estou triste pelo que aconteceu. Mas de uma coisa eu tenho certeza: a minha perna está muito machucada”, disse.

No lance que antecedeu a expulsão de Emerson, Tolói aparece pisando na perna do jogador alvinegro. O zagueiro tricolor, no entanto, garantiu que a expulsão foi merecida e que Sheik perdeu a cabeça.

“O Emerson me chutou no lance sem a bola, mas futebol é assim. Às vezes o jogador perde a cabeça”, afirmou.

O São Paulo venceu por 2 a 0 e garantiu classificação às oitavas de final da Libertadores. Agora, o Tricolor enfrentará o Cruzeiro, enquanto o Timão terá pela frente o Guaraní-PAR.