logo
Esporte
Esporte 18/04/2015

Botafogo elimina o Flu nos pênaltis e vai à final do Carioca

Fernando comemora o primeiro gol do Botafogo | Rudy Trindade/Frame/Folhapress

Fernando comemora o primeiro gol do Botafogo | Rudy Trindade/Frame/Folhapress

Com um time desgastado, o Botafogo conseguiu segurar a vitória por 2 a 1 sobre o Fluminense e levar a partida para as penalidades máximas, já que o placar foi o mesmo da partida de ida. Aí brilhou a estrela do goleiro Renan, o substituto de Jefferson, que se redimiu do pênalti cometido nos tempo normal, pegou duas cobranças e ainda bateu o para definir o triunfo por 9 a 8. Na decisão do Campeonato Carioca, o Alvinegro enfrenta Vasco ou Flamengo, que duelam neste domingo, às 16h, no Maracanã.

O Botafogo dominou o primeiro tempo desde o início. E logo aos cinco minutos de jogo o alvinegro abriu o placar. Marcelo Mattos lançou, Bill desviou de cabeça e Rodrigo Pimpão, em posição irregular, saiu na cara de Diego Cavalieri. O atacante encobriu o goleiro e Fernandes aparecer na pequena área para empurrar ao fundo do gol.

A pressão só aumentou. Aos 15, Pimpão tentou desviar cruzamento rasteiro de letra. Aos 19, o atacante quase marcou um golaço ao arriscar voleio e sobra dentro da área. Aos 22, o Botafogo ampliou o placar.

Wagner perdeu a bola no meio de campo e o Bota contra-atacou. Gegê passou para Gilberto, que deu ótimo lançamento para Bill. Diante de Cavalieri, o jogador finalizou mal na primeira, mas aproveitou o rebote para fazer o segundo.

Apesar de dominado, o Fluminense – que assustara aos 29 em cabeceio de Gum que acertou o travessão – conseguiu empatar. Aos 42, Wagner lançou Kenedy, que invadiu a área e foi derrubado por Renan. Devido à suspensão de Fred, Jean assumiu a cobrança e mostrou categoria para descontar.

O gol animou o Tricolor para o segundo tempo. Logo aos dois minutos, Kenedy teve grande chance ao ser lançado por Robert, que entrou na vaga de Wagner no intervalo. O atacante tentou driblar Renan, se atrapalhou e acabou chutando muito mal. Aos cinco, Giovani recebeu de Gerson na área, mas bateu mal. Aos 18, em rápido contra-ataque, Kenedy tentou chutar cruzado e foi bem travado por Giaretta.

O Bota só respondeu aos 20, quando Jobson – que acabara de entrar na vaga de Pimpão – soltou uma bomba em seu primeiro lance e parou na grande defesa de Cavalieri.

Mas o segundo tempo era mesmo do Fluminense, ainda mais depois que Bill sentiu lesão e teve que permanecer em campo porque o Bota já havia feito as três substituições. Aos 32, o zagueiro Gum voltou a carimbar o travessão ao antecipar Renan e desviar para o gol.

Aos 39, o lateral Carleto foi ao chão com dores na coxa. Cinco minutos depois, Marcelo Mattos saiu com câimbras. Combalido, o Botafogo se esforçou para segurar o resultado e mandar o jogo para os pênaltis.

Nas penalidades máximas, os dois goleiros defenderam as primeiras cobranças, feitas por Kenedy e Marcelo Mattos. Na sequência, Jean, do Flu, e Gegê, do Bota, converteram. Renan pegou a terceira batida do Tricolor, e Gilberto colocou o Bota na frente. Os dois times fizeram o quarto pênalti, com Renato e Carleto. Encarregado a fechar pelo Flu, Marlone chutou alto e marcou. Diego Giaretta poderia dar a vitória ao Alvinegro, mas parou na defesa de Diego Cavalieri.

Com placar empatado em 3 a 3, a definição foi para as alternadas. Nas cinco primeiras, Gum, Marlon, Edson, Robert e Wellington Silva marcaram para o Flu, enquanto Renan Fonseca, Jobson, Bill, Luis Ricardo e Willian Arão fizeram para o Bota. A decisão saiu quando os dois goleiros foram para a marca do pênalti. Cavalieri isolou e Renan bateu com categoria, definindo a vitória por 9 a 8 e a classificação para a final.