logo
Esporte
Esporte 02/04/2015

Cássio destaca domínio do Corinthians diante do Danubio

Cássio exaltou a atuação do Corinthians diante do Danubio | Daniel Augusto Jr/Agência Corinthians

Cássio exaltou a atuação do Corinthians diante do Danubio | Daniel Augusto Jr/Agência Corinthians

O goleiro Cássio elogiou a atuação do Corinthians na goleada sobre o Danubio por 4 a 0, na última quarta-feira, na Arena Corinthians, pela Libertadores. O arqueiro ressaltou o domínio do Timão durante todo o jogo.

“Apanhamos bastante, principalmente o Guerrero, mas estivemos conscientes e mostramos maturidade. Essa é uma marca da nossa equipe. Dominamos desde o começo da partida e não corremos risco “, disse.

O camisa 12 alvinegro ainda comentou as ofensas raciais sofridas pelo meio-campista Elias durante a partida.

“O Elias ficou chateado, claro. Mas conseguimos manter a mesma atuação no segundo tempo. Sabíamos que a melhor resposta era fazer um monte de gols neles e foi o que aconteceu”, concluiu.

Tite diz que time “cresceu no conceito”

Mais do que o show de futebol que o Corinthians exibiu contra o Danubio, nesta quarta-feira, vencendo por 4 a 0, a partida da Libertadores acabou sendo marcada também por uma ofensa racial que Elias sofreu do camisa 17 uruguaio González. Para o técnico Tite, após o episódio, o time cresceu em seu conceito.

“Este grupo de trabalho cresceu muito no meu conceito. Pela conduta e pelo caráter com que levaram algumas coisas que soubemos que aconteceram dentro da partida. Eles transformaram isso em concentração para fazer uma bela partida. Conseguiram matar no peito toda essa situação”, disse o treinador.

Além de González, o técnico corintiano também falou do camisa 7, Fornaroli. Sem citar qualquer agressão, verbal ou física, ele disse que com esse dois atletas ele não cumprimentaria.

“Os números 7 e 17. Nenhum deles que venha se dirigir a palavar para falar comigo ou dar a mão depois do jogo, e não teve isso. Porque eu sei o que os atletas passaram dentro de campo. Comigo não tem isso. A equipe conseguiu transformar tudo em futebol”, explanou o técnico, que disse que o time do Danubio o que menos fez foi jogar bola, provocando e simulando faltas desde o início do jogo.