logo
Foto: Reprodução /
Entretenimento 05/06/2021

Detalhes de ‘Cruella’ que só os adultos vão entender

Revolução punk rock, mercado da moda e até uma referência ao Coringa. Veja os detalhes de ‘Cruella’ que passam despercebidos pelas crianças.

Referências ao movimento punk rock, ao efêmero na moda e até ao personagem do Coringa são percebidos pelos fãs da vilã de ‘101 Dálmatas’. ‘Cruella’ já arrecadou cerca de R$ 125 milhões de reais em bilheteria no primeiro final de semana de estreia somente nos Estados Unidos.

Muitos críticos têm escrito sobre o novo live action da Disney que retrata a história da vilã de ‘101 Dálmatas’ e o filme, que estreou na semana passada nos cinemas e no Disney Plus já arrecadou cerca de US$ 25 milhões em seu primeiro final de semana somente nos Estados Unidos. Essa quantia equivale a cerca de R$ 125 milhões de reais.

Alguns compararam a produção mais recente da Disney com o icônico filme ‘O Diabo Veste Prada’, com Anne Hathaway e Meryl Streep, por sua relação com o mundo da moda. Outros também compraram a atuação de Emma Stone com a de Angelina Jolie em ‘Malévola’ e sua sequência. Embora feitos sob uma lógica distinta e em diferentes época, os dois filmes partem da mesma premissa: contar a história da Disney sob a ótica do vilão, tratando de se descolar um pouco da ideia de dualismo entre o bem e o mal que perdurou por muitos anos nas produções da Disney.

O fato é que, embora o filme tenha ganhado indicação classificativa P-13 nos Estados Unidos, que diz que um filme é inapropriado para menores de 13 anos, existem algumas cenas e easter eggs em ‘Cruella’ que somente os mais crescidinhos vão notar. Descrevemos alguns deles para você.

A revolução Punk Rock dos anos 1970

A trilha de ‘Cruella’ não deixa a desejar quando o quesito é situar a trama no tempo. O punk começou a se tornar popular em meados dos anos 1970, dando voz a uma revolução crescente contra o estilo mais excessivo da música mainstream da época. 

As bandas punk predominantes durante esta era operavam sob a mentalidade DIY (do inglês “do it yourself”, em tradução livre “faça você mesmo”), muitas vezes produzindo e distribuindo sua música de forma independente. O movimento ganhou força nos Estados Unidos, com bandas como os Ramones, e no Reino Unido, com grupos como os Sex Pistols. Foi contra-cultura, politicamente carregada e hipersexual.

Leia mais sobre filmes e séries:

É publicidade ou jornalismo?

O filme é bem caricato quando trata sobre como as marcas usam a mídia para alterar a percepção do público. Apresentada no início do longa, a amiga de infância de Cruella, Anita Darling (Kirby Howell-Baptiste), se torna jornalista. Reconhecendo imediatamente Anita como sua ex-colega de classe, Cruella está ansiosa para entrar em um acordo comercial exclusivo com ela. Tirando vantagem de sua conexão, Cruella persuade Anita dando à jornalista um furo que beneficia sua imagem como nova design de moda ascendente e que quer rivalizar com a Baronesa.

Os adultos certamente notarão esse “pulo-do-gato” de Cruela, já que é algo presente no mundo dos negócios. 

Semelhanças com o Coringa

Desde que foi anunciado que Cruella De Vil teria seu próprio filme, a internet ficou saturada com comentários rotulando o filme como uma “Girlboss Joker”. Certamente Cruella e Coringa compartilham algumas semelhanças na forma como são apresentados em seus respectivos filmes. Ambos tiveram infâncias desagradáveis ​​que resultaram em uma idade adulta sombria. Eles tornaram-se pessoas instáveis e com empregos que detestam. 

Ambos os filmes têm um momento que pode ser visto como uma espécie de “revelação”. Em ‘Coringa’ (2019), o personagem de Joaquin Phoenix aparece na escada dançando e celebrando o encontro de sua identidade como pessoa. Em ‘Cruella’, a personagem de Emma Stone tem o mesmo momento epifânico, quando Estella comparece à festa da Baronesa.

Outra semelhança visual que os filmes compartilham é como, à medida que o estado mental do personagem principal começa a se degradar e seu mundo se torna mais caótico, o mundo ao redor deles se torna mais vibrante. Esse é um recurso usado pelo cinema para exibir mudanças na trama. A música ‘Smile’, interpretada por Jimmy Durante, também é parte da trilha dos dois longas.