logo
Os dilemas do Yi são comuns a qualquer nacionalidade | divulgação / Os dilemas do Yi são comuns a qualquer nacionalidade | divulgação
Entretenimento 22/04/2021

Oscar 2021: ‘Minari’ narra um sonho universal

Principal estreia da reabertura das salas de exibição de São Paulo, a partir de sábado (24), “Minari – Em Busca da Felicidade” é o conto de uma família sul-coreana tentando espaço nos Estados Unidos dos anos 1980, mas consegue traduzir, de maneira universal, o sonho de crescimento de tantos migrantes e imigrantes em qualquer lugar do mundo.

Com roteiro e direção de Lee Isaac Chung, o filme é levemente inspirado em sua própria infância, vivida em uma fazenda no Arkansas. Quase toda falada em coreano, a produção concorre a seis  estatuetas no Oscar deste ano, que acontece no domingo (25).

A narrativa começa quando Jacob (Steven Yeun) e Monica Yi (Han Ye-ri) se mudam com os filhos para a tal fazenda no estado norte-americano. Ambos trabalham em uma granja. Mas a expectativa do marido é viver da produção e venda de alimentos tipicamente coreanos, atividade instável que preocupa Monica, sobretudo por conta de um problema cardíaco do caçula, David (Alan S. Kim).

Curiosamente, o minari,  um dos principais vegetais da culinária coreana, não consta na “roça” de Jacob. A planta chega tempos depois,  na mala da sogra, Soonja (Yuh-Jung Youn), que vem da Coreia do Sul para ajudar a cuidar dos netos. “Minari é ótimo. Cresce em qualquer lugar, como mato. Então qualquer um pode colher e comer. Rico ou pobre, todos podem aproveitar”, resume ela, ao plantar a mudinha perto de um riacho.

Desbocada e engraçada, Soonja frustra David, que esperava uma avó doce, do tipo que assa biscoitos. A troca de provocações entre eles acaba por ser a alma do filme. Implicância que existe em qualquer família, assim como a eterna queda de braço entre sonhadores e pragmáticos que, claro, sempre estão no mesmo barco.