logo
Em 81 minutos, grupo levou 13 quadros / Divulgação/NetflixEm 81 minutos, grupo levou 13 quadros / Divulgação/Netflix
Entretenimento 12/04/2021

‘O Maior Roubo de Arte de Todos os Tempos’: conheça a história da série documental

Dá para fazer muitas coisas a dois em 81 minutos. Para uma dupla em Boston, Estados Unidos, o tempo foi suficiente para roubar 13 valiosas obras de arte do Museu Isabella Stewart Gardner.

O caso ocorreu no dia 31 de março de 1990 – há mais de 31 anos –, mas continua sem solução. Entre as peças furtadas estavam quadros assinados por artistas renomados, como os holandeses Rembrandt e Vermeer, e os franceses Degas e Manet.

QUER RECEBER A EDIÇÃO DIGITAL DO METRO JORNAL TODAS AS MANHÃS POR E-MAIL? É DE GRAÇA! BASTA SE INSCREVER AQUI.

São gravuras, pinturas e artefatos históricos cujo preço estimado é de meio bilhão de dólares – ou R$ 2,8 bilhões.

E a grande questão que fica, até hoje, é: como eles conseguiram? Uma nova minissérie da Netflix, chamada “O Maior Roubo de Arte de Todos os Tempos”, reuniu depoimentos para contar, em quatro episódios, tudo o que se sabe sobre o roubo e a investigação.

Começando pela madrugada do crime, quando os homens, vestidos de policiais, enganaram os seguranças do local dizendo que investigavam denúncias na região. A dupla fez os guardas de reféns e, em menos de uma hora e meia, desapareceram com as obras de arte.

Com três décadas de buscas e muitos depoimentos, a produção relata as diversas teorias que tentam explicar o crime – desde um trabalho interno até possível envolvimento de máfias. Nenhuma delas levou nem aos culpados nem aos itens roubados.

E não pense que, tanto tempo depois, o museu norte-americano tenha desistido! Há uma recompensa de US$ 10 milhões (cerca de R$ 56 milhões) para quem der informações “que levem à recuperação” de todas as obras. As autoridades estimam ter recebido mais de 30 mil contatos para possíveis pistas, sem levar a lugar algum.

Enquanto isso, os espaços em que os artefatos estavam seguem vazios, na esperança de serem, um dia, preenchidos novamente.