Em 'OK Human', Weezer surpreende com álbum orquestrado e sem guitarras

Por Luccas Balacci - Metro

O sol ainda não havia nascido na Califórnia na quinta (28), mas Rivers Cuomo já estava bastante desperto. Com o conhecimento adquirido em um curso de programação de sites feito durante a pandemia, a mente por trás da lendária banda de rock alternativo Weezer tentava consertar o próprio domínio, derrubado pelo grande volume de acessos simultâneos de fãs.

De certa forma, era sua culpa. Ele havia prometido que, às 4h30 em seu horário local – 9h30 em Brasília –, disponibilizaria um link para uma videoconferência no Zoom, limitada a 100 pessoas, para uma primeira audição do novo álbum de sua banda, “Ok Human”, lançado nesta sexta-feira (29).

A curiosidade era grande e não à toa: gravado de forma analógica, sem guitarras e com muitos pianos e arranjos de orquestra, o disco é o mais original do grupo, distante tanto da sonoridade que os consolidou nos anos 1990 quanto do pop buscado nos trabalhos mais recentes.

Na sala virtual, os sortudos (me incluo entre eles) que puderam conhecer as 12 faixas em primeira mão ouviam atentos, enquanto Rivers se divertia cantando e emulando instrumentos com as mãos.

QUER RECEBER A EDIÇÃO DIGITAL DO METRO JORNAL TODAS AS MANHÃS POR E-MAIL? É DE GRAÇA! BASTA SE INSCREVER AQUI.

A canção que abre o registro, “All My Favorite Songs”, dá o tom do álbum, bastante sereno, com versos que falam de isolamento, solidão e dependência da tecnologia – o título “OK Human”, inclusive, brinca com o “OK Computer”, clássico do Radiohead.

A produção de Jake Sinclair, já celebrada por fãs de Weezer no disco homônimo de 2016 (apelidado de White Album), volta a brilhar no novo registro. A abordagem é mais pop do que rock, claro, mas a orquestra de 38 músicos traz uma maturidade muito bem-vinda, sem perder a identidade do quarteto.

Aqui, cabem baladas como nunca antes na discografia, o que resulta em bons momentos como a épica “Numbers” e a melódica “Bird with a Broken Wing”.

Outras faixas mais agitadas, como “Aloo Gobi” e “Screens” fazem a orquestra emular o que seriam as guitarras tão emblemáticas de sucessos do Weezer, mas que ficaram de fora.

Com pouco mais de meia hora, “OK Human” é o 14º álbum de estúdio do grupo, prestes a completar 30 anos de carreira. Seja uma experimentação pontual ou um possível norte para o futuro, o quarteto mostra ter como nunca o controle de seu rumo. E cada fã que avalie se ainda quer seguir no barco.

'Van Weezer': o que não foi, será

O Weezer já tem outro disco pronto para lançamento, “Van Weezer”, que foi adiado por conta da pandemia. Esse sim, cheio de solos de guitarras, foi anunciado junto a uma turnê com Green Day e Fall Out Boy – cuja realização é incerta.

Ao “furar a fila” com “OK Human”, o agora 15º disco do grupo será lançado no dia 7 de maio, retomando a sonoridade mais familiar. Três singles já foram lançados, sendo o último “Beginning of the End”.

Loading...
Revisa el siguiente artículo