Entretenimento

Público não acompanha pique dos Rolling Stones em São Paulo

Depois de 18 anos sem pisar em São Paulo, era de se esperar que os Rolling Stones fizessem por merecer a longa espera do público com uma performance arrebatadora – e, de fato, o show apresentado por Mick Jagger e companhia na noite desta quarta, 24, compensou o jejum com um banquete de versões caprichadas e recheadas de improvisos de clássicos absolutos.

O que faltou, inexplicavelmente, foi a resposta do público – não exatamente apático, mas em uma sintonia outra, bem menos empolgada que a do grupo.

Leia também:
Fãs acampam no estádio do Morumbi para show dos Rolling Stones em SP
Após show matador no Rio, Rolling Stones se preparam para invadir o Morumbi

Entenda-se: foi uma noite incrível, mas que passou longe de ser uma catarse coletiva. As mais de 60 mil pessoas presentes no Estádio do Morumbi pareciam se preocupar mais com as curtidas que ganhariam com suas selfies do que em curtir verdadeiramente a apresentação e não devolveram à banda nem um terço da energia que ela entregou, o que é uma injustiça tremenda, ainda mais com um cenário tão favorável – a chuva forte que caiu à tarde deu trégua durante toda a noite.

Mick Jagger fez de tudo no palco: falou palavrão em português, tocou gaita, fez striptease -paramos de contar na quarta troca de roupa -, deu beijinho no ombro. A única coisa que faltou foi explicar como faz para dançar por 2h20 praticamente sem parar. Ficou muito claro que o instrumento musical dele é mesmo o corpo.

Aos olhos do público, os 72 anos do líder do Stones – e a idade avançada comum a todo o resto da trupe – passam completamente batidos, e o cigarro na boca de Keith Richards e Ron Wood soam quase como provocação.

E assim, nessa toada meio despretensiosa, meio superprofissional, eles destilam 2h20 de «greatest hits», desde a abertura com a dobradinha «Start Me Up» e «It´s Only Rock´n´Roll (But I Like It)», passando pela escolha do público da noite, «Bitch», e a surpresa com Jagger falseteando ao teclado em «Worried About You», até chegar nas interpretações de 10 minutos dos clássicos supremos «Gimme Shelter» e «Simpathy for the Devil» e fechar o o bis com «You Can´t Alway Get What You Want», com a participação do Coral Sampa, e «Satisfaction», que pôs fim a à noite com a sensação de que os ingressos com preço salgado valeram mesmo a pena. Sábado tem mais!

 

Veja vídeo da abertura do show desta quarta (24):

https://www.youtube.com/watch?v=DyYJZ71tD58

Tags

Últimas Notícias


Nós recomendamos