Entretenimento

Malala Yousafzai emociona em documentário sobre sua vida

Não é por ser vítima das circunstâncias que alguém recebe o Prêmio Nobel da Paz. A paquistanesa Malala Yousafzai aos 15 anos foi alvejada na cabeça por radicais do Taliban, que dominavam o Vale do Swat, onde vivia. Os tiros, que não a mataram, mas feriram também suas amigas, tinham o objetivo de calar uma adolescente sempre disposta a se manifestar sobre o direito à educação de meninas. Deu-se o contrário.

Malala foi capa e conteúdo de um frenesi midiático, que a alçou à condição de heroína pela equidade de gênero, sobretudo sobre o ensino transformador de vidas. Depois de acordar de um coma induzido, sobrevivendo com mente e corpo alertas para seu, agora, objetivo de vida, a garota recebeu prêmios, condecorações e ganhou, pelas mãos do documentarista Davis Guggenheim (de «Uma Verdade Inconveniente») uma cinebiografia, intitulada simplesmente «Malala».

Pela visão do cineasta, Malala é uma menina comum, porém vítima de uma missão, quase profética, instaurada por seu pai Ziauddin Yousafzai, um ativista educacional.

Leia também:
Para Guilherme Fontes, ‘Chatô’ foi ‘difícil, solitário e sofrido’
Jafar Panahi faz novo grito pela liberdade de expressão no premiado ‘Taxi Teerã’

Não é por acaso que intitula a produção como «He Named Me Malala» («Ele Me Deu o Nome de Malala», em português), quando evoca a jovem Malalai, uma adolescente que fez afegãos se insurgirem contra os ingleses no século 19. Belíssima história, no entanto, sem qualquer função além do folclore.

Porém, Malala sobrevive, e no meio das entrevistas que Guggenheim utiliza para o documentário, ela se mostra capaz de uma clemência (a seus perseguidores) e obstinação (diante de seu objetivo), que emociona.

Mudando de país, com problemas de adaptação nas escolas britânicas, a adolescente não é mais do que alguém que tem um propósito muito além de se envergonhar com perguntas sobre jogadores bonitos na TV.

Criada em um ambiente que estimula o conhecimento, o que o diretor capta sem qualquer estranheza, ainda utilizando como recurso a animação para o espectador entender seu passado, esta heroína considera sua existência convencional.

«Eu sou uma menina normal. Mas, se meus pais fossem conservadores e eu ainda vivesse em Swat, provavelmente já teria dois filhos», diz ao ser questionada sobre o que seria, caso fosse uma menina «normal», por uma repórter.

Mais do que um nome, Malala é uma demonstração eloquente de quanto os pais têm muito a ver com a formação dos filhos. Por sua vez, o documentário demonstra como se pode levar técnicas (uso de animação, enquadramentos, imagens de arquivo), fictícias ou não, para apresentar eficientemente uma determinada tese.

Mas a voz de Malala, esta que o Taliban não calou, é imensamente maior do que os desejos de Guggenheim, pois ela é um ídolo de que o mundo precisa neste momento.

Tags

Últimas Notícias


Nós recomendamos