logo
Entretenimento
Entretenimento 28/04/2015

Morte de Josef Stálin ganha ótica de história em quadrinho

Derrame e velório de Stálin nos traços de Thierry Robin | Reprodução

Derrame e velório de Stálin nos traços de Thierry Robin | Reprodução

Cada vez mais o mundo das HQs mostra que é possível contar qualquer história com bons traços e texto simples, direto e marcante. Nessa toada, até personagens temidos do mundo real ganham relatos, como acontece em “A Morte de Stálin”, publicação francesa roteirizada por Fabien Nury e desenhada por Thierry Robin.

Lançado originalmente no ano passado, o livro premiado na França como melhor HQ no Festival Encontros com a História narra em tom de sátira todo o clima de conspiração e paranoia que tomou conta da antiga e totalitária União Soviética no período da morte do líder, em 1953.

Stálin era um dos homens mais poderosos e temidos do mundo no pós-guerra e assumiu o comando da URSS após a morte de Vladimir Lênin, em 1924. Conhecido pelo policiamento severo à população russa e por sua união com a Alemanha nazista durante a invasão polonesa, ele também perseguiu Leon Trotsky, que foi assassinado no México em 1940.

“A Morte de Stálin” - Fabien Nury e Thierry Robin (ed. Três Estrelas, 152 págs., R$ 50)

“A Morte de Stálin” – Fabien Nury e Thierry Robin (ed. Três Estrelas, 152 págs., R$ 50)

“A Morte de Stálin” conta as tramas que surgem a partir de um derrame que levaria o líder à morte. A partir daí, surgem personagens poderosos, envolvidos em conspirações para suceder o chefe de estado – tudo encabeçado por Lavrenti Béria e Nikita Kruschev – este último o homem que se tornaria afinal o novo nome forte da URSS.

Com tradução de Paulo Werneck, o volume recém-lançado corresponde à edição integral que saiu na França, contendo os números 1 e 2 da série.