logo
Entretenimento
Entretenimento 08/04/2015

Filme de Eduardo Coutinho abre festival É Tudo Verdade

Processo criativo do cineasta é apresentado na produção em entrevistas com adolescentes prestes a concluir o ensino médio  | Divulgação

Processo criativo do cineasta é apresentado na produção em entrevistas com adolescentes prestes a concluir o ensino médio | Divulgação

Os minutos iniciais de “Últimas Conversas”, que abre nesta quinta-feira o festival É Tudo Verdade para convidados, mostram o diretor Eduardo Coutinho em um diálogo frente à câmera sobre problemas de saúde e questões existenciais. (Confira trailers e programação no fim do texto)

“Essa conversa ele teve comigo”, explica Jordana Berg, responsável pela montagem do documentário. “A ideia inicial era fazer um filme com crianças e ele estava insatisfeito. O papo aconteceu com a câmera ligada, nada foi combinado”, conta ela, que cuidou desse e de outros nove documentários nos últimos 19 anos da carreira do diretor.

O filme reúne depoimentos de alunos de colégios públicos cariocas prestes a concluir o ensino médio. Neste momento de decisão, eles revelam preocupações profissionais e, ao mesmo tempo, se abrem sobre questões como amor, amigos e família.

O material de “Últimas Conversas” estava prestes a ser montado quando Coutinho foi morto pelo filho, em fevereiro do ano passado, aos 80 anos. Dois dias depois, Jordana se reuniu com o diretor João Moreira Salles e eles decidiram continuar o projeto.

“Sentia uma urgência de dividir isso com órfãos dele assim como eu. Além disso, tinha medo de entrar em luto e não conseguir mais ver mais o material. Por fim, essa era a maneira que eu tinha de manter ele vivo o maior tempo possível”, diz Jordana.

Conhecedores dos métodos do cineasta, ela e Salles finalizaram o filme em junho de 2014, mas não estavam satisfeitos. “Provavelmente chegamos muito perto do que ele faria, mas consideramos que o certo era incorporar [no filme] o processo do trabalho.”

Com isso, o material foi refeito mesclando as entrevistas com participações do documentarista por meio de perguntas, comentários e interações com a equipe. “Ali está sua infelicidade e suas dúvidas. É uma tentativa de colocar pequenas entradas que explicam um pouco do processo dele”, analisa.

“Últimas Conversas” terá exibições grátis nesta sexta, às 21h, e dia 19, às 17h, no Cine Livraria Cultura (r. pe. João Manuel, 100; tel.: 3285-3696).

Festival traz 109 docs de 31 países

Nas palavras de Amir Labaki, diretor do Festival É Tudo Verdade,  a 20ª edição do evento, que abre nesta quinta e segue até o dia 19, a seleção das competições nacional e internacional deste ano representa “uma das safras mais ricas que a gente já apresentou”.

Todos os sete concorrentes entre os longas brasileiros são estreias mundiais. É o caso de “Eu sou Carlos Imperial”, de Renato Terra e Ricardo Calil, e “A Paixão de JL”, de Carlos Nader, sobre o artista Leonilson.

Na competição de filmes estrangeiros, destacam-se “O que Houve, Sta. Simone?”, da americana Liz Garbus, sobre a cantora Nina Simone, e “A Visita”, do dinamarquês Michael Madsen, sobre o medo humano de ser visitado por ETs – os filmes foram exibidos, respectivamente, nos festivais de Berlim e Sundance.

Com entrada gratuita, o festival terá sessões no CCBB, CCSP, Cine Livraria Cultura, Cine Olido e Cinemateca.

Confira a programação aqui