logo
Entretenimento
Entretenimento 01/04/2015

CCBB apresenta ‘Easy Rider’, panorama do cinema americano entre 1960 e 1970

O Centro Cultural Banco do Brasil exibiu entre janeiro e fevereiro a mostra “Easy Riders”, que fez um panorama do cinema americano entre 1960 e 1970 – período chamado de Nova Hollywood. Agora o espaço faz uma repescagem do evento, até o dia 9, com nove filmes da seleção. A programação desta quinta-feira traz “Amargo Reencontro” (1978), de John Milius, às 18h, e “Bonnie e Clyde – Uma Rajada de Balas” (1967, foto), de Arthur Penn, às 20h15,. Estão ainda na mostra longas como “O Poderoso Chefão” (1972), “A Outra Face da Violência” (1977) e “Halloween” (1978).

No CCBB (r. Álvares Penteado, 112, Centro; tel.: 3113-3651). Até 9/4. R$ 4 por sessão.

PROGRAMAÇÃO

Dia 1º, quarta-feira
17:30 – O Comboio do Medo (Sorcerer)
19:50 – Hardcore – No Submundo do Sexo (Hardcore)

Dia 2, quinta-feira
18:00 – Amargo Reencontro (Big Wednesday)
20:15 – Bonnie e Clyde – Uma Rajada de Balas (Bonnie & Clyde)

Dia 3, sexta-feira
18:00 – Halloween – A Noite do Terror (Halloween)
20:00 – A Outra Face da Violência (Rolling Thunder)

Dia 4, sábado
14:00 – O Poderoso Chefão (The Godfather)
17:15 – Hardcore – No Submundo do Sexo (Hardcore)
19:30 – Rede de Intrigas (Network)

Dia 5, domingo
15:00 – Nasce um Monstro (It’s Alive)
17:00 – Bonnie e Clyde – Uma Rajada de Balas (Bonnie & Clyde)
19:30 – Halloween – A Noite do Terror (Halloween)

Dia 6, segunda-feira
16:15 – O Poderoso Chefão (The Godfather)
19:30 – O Comboio do Medo (Sorcerer)

Dia 8, quarta-feira
17:30 – A Outra Face da Violência (Rolling Thunder)
19:30 – Rede de Intrigas (Network)

Dia 9, quinta-feira
17:30 – Nasce um Monstro (It’s Alive).
19:30 – Amargo Reencontro (Big Wednesday)

SINOPSES

Bonnie e Clyde – Uma Rajada de Balas (Bonnie & Clyde, EUA, 1967)
Direção: Arthur Penn
Com Faye Dunaway, Warren Beatty, Gene Hackman, Estelle Parsons
Baseado na história real de Clyde Barrow e Bonnie Parker, o filme acompanha a dupla de assassinos e ladrões de banco que peitaram as autoridades e caíram no gosto da opinião pública nos Estados Unidos dos anos 1930. Aliando violência e sexo à imagem do casal criminoso, mostrado com beleza e glamour, o filme torna-se um marco da renovação do cinema americano em 1967.

Hardcore – No Submundo do Sexo (Hardcore, EUA, 1979)
Direção e Roteiro: Paul Schrader
Com George C. Scott, Peter Boyle, Season Hubley, Dick Sargent
Um pai calvinista sai de sua pequena cidade no centro-oeste americano para encontrar a filha, que desapareceu numa excursão religiosa na Califórnia. Com a ajuda de um detetive, ele descobre que ela agora trabalha no mercado de cinema pornográfico em Los Angeles. Também de formação calvinista, Paul Schrader já discute aqui, nesta sua segunda direção, algumas questões caras ao seu cinema, como a impossibilidade da pureza e de um paraíso.

A Outra Face da Violência (Rolling Thunder, EUA, 1977)
Direção: John Flynn
Com William Devane, Tommy Lee Jones, Linda Haynes, James Best
De regresso do Vietnã como herói, após sofrer uma traumática experiência como prisioneiro de guerra, Charles Rane tenta lidar com o esfacelamento de sua vida pessoal. Mas o Vietnã parece retornar a Rane quando é medonhamente brutalizado por uma quadrilha sádica, que no processo assassina seu filho. Ele irá à revanche ao lado do seu parceiro na guerra, Johnny Volden. A violência em estado bruto, como trauma de um país com seus valores em crise abismal, é exposta neste fortíssimo filme de John Flynn.

Rede de Intrigas (Network, EUA, 1976)
Direção: Sidney Lumet
Com Faye Dunaway, William Holden, Peter Finch, Robert Duvall
Após ser demitido pelos baixos índices de seu programa, o âncora Howard Beale anuncia em rede que irá se matar ao vivo. Os índices aumentam e, em princípio, a emissora decide mantê-lo no ar. Mas, alucinado, o renomado jornalista começa a escancarar as irregularidades da grande mídia. Filme adulto, bem em sintonia com a onda de filmes-denúncia da Nova Hollywood, e assinado pelo seu melhor representante, Sidney Lumet. O longa rendeu vários Oscar, como o de Melhor Ator (póstumo) para a atuação sideral de Peter Finch e o de melhor roteiro original para Paddy Chayefsky, considerado um dos melhores de todos os tempos.

O Poderoso Chefão (The Godfather, EUA, 1972)
Direção: Francis Ford Coppola
Com Marlon Brando, Al Pacino, James Caan, Richard S. Castellano
O filme conta a saga da família Corleone e sua trajetória na máfia nos Estados Unidos. Quando o chefe da família Vito Corleone é baleado, seu único filho, que queria distância dos negócios, Michael, assume a responsabilidade pela família. O filme mais célebre de Francis Ford Coppola foi vencedor de nove Oscar e é o maior símbolo da aliança entre a política dos estúdios e um cinema autoral.

Nasce um Monstro (It’s Alive, EUA, 1974)
Direção e Roteiro: Larry Cohen
Com John P. Ryan, Sharon Farrell, James Dixon, William Wellman Jr.
Um bebê mutante nasce com um apetite voraz e canibal. Ao fugir do hospital, coloca em pânico uma pequena cidade americana. A polícia caça o monstro, que deixa um rastro de terror e morte por onde passa. Filme de horror que se tornou um paradigma da produção B “off Hollywood”.

O Comboio do Medo (Sorcerer, EUA, 1977)
Direção: William Friedkin
Com Roy Scheider, Bruno Cremer, Francisco Rabal, Amidou
Um grupo de voluntários trabalha em uma companhia de petróleo na selva africana e é enviado com um carregamento de explosivos para conter o fogo de um incêndio em uma perfuração. O grupo terá de transportar os explosivos em território selvagem e acidentado utilizando dois caminhões velhos. Aventura cinematográfica intensa e obsessiva (à altura das de Werner Herzog) que o diretor William Friedkin realizou depois do sucesso O Exorcista.

Amargo Reencontro (Big Wednesday, EUA, 1978)
Direção: John Milius
Com Jan-Michael Vincent, William Katt, Gary Busey, Patti D’Arbanville
Um trio de amigos surfistas californianos se reencontra após um afastamento de mais de uma década, durante a qual todos eles acabaram servindo na Guerra do Vietnã. Filme mais pessoal de John Milius que, mesmo em um parcimoniosa história que se passa em tempos mais recentes (anos 1960 e 70), conserva a monumentalidade mítica de seus outros filmes.

Halloween – A Noite do Terror (Halloween, EUA, 1978)
Direção e Música: John Carpenter
Com Jamie Lee Curtis, Donald Pleasence, Nancy Kyes, P. J. Soles
Com meros US$ 325 mil de bilheteria, é o grande clássico do gênero e predecessor dos filmes de serial killers, que faria do personagem de Michael Myers a grande matriz de Jason (Sexta-Feira 13) e Freddy Krueger (A Hora do Pesadelo). De um inicial plano-sequência magnífico, mostrado pelo ponto de vista de Myers aos 6 anos, ao personagem já adulto e fugido do sanatório causando o terror numa pequena cidade, fica patente que John Carpenter dirigiu uma obra de gênio.