logo

Um grupo de pesquisadores brasileiros mapeou no Rio Grande do Sul dois pacientes que foram infectados ao mesmo tempo por duas variantes diferentes do coronavírus.

Esse é o primeiro caso no mundo de coinfecção por duas linhagens distintas do coronavírus simultaneamente. Outra pesquisa já havia levantado a possibilidade, mas a comprovação foi realizada pelo estudo brasileiro, de acordo com o virologista Felipe Spilki, da Universidade Feevale, do Rio Grande do Sul.

De acordo com o estudo, os dois pacientes, ambos na casa dos 30 anos, foram contaminados no final de novembro pela linhagem P2, descoberta no Rio de janeiro, e por uma segunda variante do coronavírus, diferente em cada um.

Os dois pacientes tiveram sintomas moderados e não precisaram de internação. Um deles teve tosse seca e o outro, tosse, dor de cabeça e dor de garganta.

A principal preocupação dos cientistas com a coinfecção é que o fato de duas linhagens diferentes conviverem no mesmo organismo pode acelerar novas e variadas mutações. “Seria outra via evolutiva do vírus”, explicou Spilki.

LEIA TAMBÉM:

O estudo mostra ainda que a quantidade de vírus circulando pelo país é tão grande que permitiu que um mesmo paciente contraísse duas variantes diferentes em poucos dias.

Durante o estudo, os pesquisadores acharam ainda outra variante do vírus, já encontrada em São Paulo, mas com registro anterior no Rio Grande do Sul.