Postos de saúde têm dificuldade para transferir pacientes em São Paulo

Por Estadão Conteúdo

A lotação de Unidades de Terapia Intensiva (UTIs) em São Paulo já traz reflexos na atenção básica de saúde. Em postos de saúde das regiões de Brasilândia, na zona norte da capital, e de Sapopemba, na zona leste, as mais afetadas pela covid-19, funcionários da rede relatam dificuldade para localizar leitos de internação para transferir os pacientes mais graves, o que não ocorria há uma semana.

Segundo esses funcionários, Unidades Básicas de Saúde (UBSs) e unidades de Assistência Médica Ambulatorial (AMAs) perderam a chamada "referência", os hospitais para onde essa unidades são orientadas a transferir os pacientes que precisam de cuidados mais complexos. Tem sido comum o hospital de referência estar lotado. Dessa forma, os postos têm de fazer pedidos por vagas à Prefeitura, que demora algumas horas para responder. A vaga que chega pode ser para outro hospital municipal, mais próximo, ou para unidades estaduais.

"Se precisar entubar um paciente enquanto espera, nós até conseguimos. Temos um respirador aqui. Mas a unidade fecha às 22 horas. Não tem funcionário depois. O que vamos fazer com o paciente?", indaga a funcionária da AMA Jardim Tietê, na região de Sapopemba.

"Nós transferimos pacientes para os hospitais de (Parada de) Taipas e de Cachoeirinha", explicou a funcionária de outra AMA, na Brasilândia. "Ontem (segunda-feira), transferimos um paciente para o hospital de campanha do Anhembi, que era menos grave. Outros três, demorou ‘um monte’ para a gente transferir." Os pacientes acabaram sendo enviados para unidades diferentes.

"Se a pessoa está com um pouco de febre, está com uma oxigenação baixa, e tem os sintomas há alguns dias, eu consigo mandar para o hospital de campanha. Antes, eles exigiam a tomografia do paciente, e a gente não faz o exame aqui. Agora, não exigem mais e eu consigo pedir a vaga no sistema", afirmou uma coordenadora da zona leste. "Mas, para caso mais grave, eu deveria encaminhar ao Pronto Atendimento de São Mateus. Nos últimos dias, está demorando para sair a transferência."

Um agravante, ainda de acordo com um funcionário da AMA Jardim Paulistano, na região de Brasilândia, é que "os pacientes que estão vindo nesta semana são mais graves, têm mais sintomas e estão piores". Dessa forma, eles chegam à rede básica já precisando da transferência.

Isolamento

Em uma das unidades, há três consultórios que foram transformados em sala de isolamento, onde os pacientes ficam à espera da transferência. Na zona leste, "hoje mesmo chegou uma mulher, funcionária aqui da AMA, que estava com a oxigenação em 40. Ela desmaiou", disse um funcionário. Ela foi levada às pressas para o Hospital Estadual de Sapopemba em ambulância da AMA.

Em nenhum dos quatro locais visitados ontem pelo jornal O Estado de S. Paulo, entretanto, houve relato de pacientes que morreram à espera de vaga ou de transferências. Procurada para comentar os relatos de dificuldades de transferência dos pacientes, a Prefeitura de São Paulo não havia se manifestado até as 20h desta terça-feira, 28. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Loading...
Revisa el siguiente artículo