logo
Colunistas 02/06/2021

‘Invocação do Mal 3’ inova sem perder a identidade

Terceiro filme mergulha no suspense policial e no exercício de estilo. Ainda que a franquia “Invocação do Mal” tenha se multiplicado com filmes derivados feitos a toque de caixa, a expectativa em torno de mais um longa focado no casal Ed e Lorraine Warren não é pequena. Desta vez, em “Invocação do Mal 3”, James Wan, diretor dos dois primeiros filmes, deixa o cargo para Michael Chavez (de A Maldição da Chorona), o que pode preocupar os fãs. A boa notícia é que Chavez se sai bem com a responsabilidade.

QUER RECEBER A EDIÇÃO DIGITAL DO METRO JORNAL TODAS AS MANHÃS POR E-MAIL? É DE GRAÇA! BASTA SE INSCREVER AQUI.

A trama ficcionaliza um dos casos reais mais conhecidos do casal: o julgamento de Arne Cheynne Johnson, o primeiro réu dos Estados Unidos a se defender da acusação de homicídio sob a alegação de possessão demoníaca. A tradicional fórmula de casa assombrada dos longas anteriores é deixada de lado, e o longa coloca os protagonistas em uma investigação policial que depois se torna um embate sobrenatural com uma figura vilanesca – a primeira antagonista humana do casal habituado aos maus espíritos no cinema.

Ou seja, a premissa oferece a Chavez a oportunidade de se emancipar da estrutura e do estilo que Wan consagrou. Com a ajuda do sempre excelente casal Vera Farmiga e Patrick Wilson, intérpretes dos Warren, o diretor dá mais atenção aos protagonistas do que às vítimas da vez. Isso oferece uma base sólida para Chavez poder se aventurar num exercício de terror atmosférico, com toques de romance gótico, cheio de sombras e cores. É um filme de encher os olhos, que transborda o amor pelo gênero, e que ao mesmo tempo honra essa tradição de “Invocação do Mal” que já se firmou na tela.

FRASE DA SEMANA

“Eu sinto que estou de luto. Foi um papel absolutamente maravilhoso” 

Kate Winslet se despede da minissérie Mare of Easttown, mas diz que adoraria voltar ao papel

NERDÔMETRO

Sobe

Clint Eastwood – O ator completa 91 anos sem previsão de se aposentar e com filme inédito para estrear, ‘Cry Macho’

Desce

Buddy van Horn – O dublê de Eastwood, que chegou a dirigir o ator em três filmes nos anos 1980, faleceu aos 92 anos