logo
Colunistas 30/04/2021

Academias lançam site com mais de 200 treinos grátis

Para cada pessoa que frequenta uma academia, 19 estão no sofá. Esse número é um retrato do ranking mundial da OMS (Organização Mundial da Saúde) que aponta o Brasil como o 5º país mais sedentário do mundo. Enquanto a média global da população inativa é 28%, no Brasil esse índice atinge 46%. Esse cenário tem sido agravado pela pandemia.

Para incentivar a população a se manter ativa, a Associação Brasileira de Academias (ACAD Brasil) acaba de lançar o Eu Cuido, Eu Treino – movimento de combate ao sedentarismo, com mais de 200 treinos gratuitos on-line. Basta acessar https://www.eucuidoeutreino.com/.

A plataforma oferece 15 modalidades treinos, com opções para todos os públicos. Tem ginástica laboral para quem passa o dia em home office, atividades físicas lúdicas para crianças, dança, calistenia, luta, yoga, treinos pesados como HIIT e crossfit para quem já malha há mais tempo e vídeos especiais para o público de mais de 60 anos, com exercícios que aumentam a flexibilidade, a mobilidade e o equilíbrio.

“A maneira que as pessoas têm de contribuir para a diminuição de mortes é se cuidar, treinar e estar bem fisicamente. Nessa segunda onda da Covid-19, é preciso se manter ativo para diminuir comorbidades e aumentar a imunidade”, afirma Monica Marques, diretora da ACAD Brasil e membro do Conselho da IHRSA, entidade mundial do fitness.

A prática regular de exercícios melhora o condicionamento muscular e cardiorrespiratório, reduz o risco de depressão e doenças crônicas (hipertensão, doenças cardíacas, diabetes, obesidade e diversos tipos de câncer), fortalece os ossos, reduz o risco de quedas e de fraturas e ajuda no controle de peso. De quebra, melhora a qualidade do sono e reduz os níveis de estresse e a ansiedade, ou seja: é fundamental para o equilíbrio físico e mental.


Siga nas redes sociais:
Facebook | Instagram | YouTube | Biolinky

Colunas anteriores:
Vamos combater o desperdício de alimentos
Alimentos ultraprocessados aumentam risco de infarto e AVC