logo
Colunistas 30/10/2020

Sente no balcão

Há muitos motivos para as pessoas irem ao bar: para beber, para encontrar conhecidos, para conhecer desconhecidos, para se divertir, para lembrar, para esquecer… Eu fui ao Tan Tan Noodle Bar, na rua Fradique Coutinho, 153, em Pinheiros, para conhecer os coquetéis, e tive a sorte de me sentar ao balcão numa noite em que Alex Mesquita estava lá. Mixologista premiadão, ele mora no Rio de Janeiro e foi convidado pelo chef Thiago Bañares, em janeiro, para chefiar o bar da casa. Ah, e que bar… É para impressionar a quantidade de bitters, por exemplo, que, segundo Mesquita, foram trazidos por Bañares de viagens ao Japão e Nova Iorque. Coisa linda. Os copos ficam refrigerados, a organização salta aos olhos. E o padrão de atendimento também. Mesquita, Fábio Lourenço, Emanuel Dantas, o Manu, e Yuri Pereira – que está se achegando à equipe –, dão show de hospitalidade e de sabores.

O pessoal está animado com a volta do público à casa. Alex Mesquita fez mudanças na carta, que é enxuta, ainda em transição, tem 11 drinques, seis novos e cinco foram mantidos, por enquanto, os que eram mais pedidos sob jurisdição anterior. Provei dois dos novos, sugeridos pelos bartenders, de acordo com o que mais gosto, então, recebi das mãos de Mesquita o Tan Tan Club, com Jerez, vermouth, bitter de laranja e abacaxi, elegante, potente e cheio de sutilezas, tudo na medida, apresentação linda, adorei. Ganhei de presente de Fábio Lourenço um Yo Yo, com shochu de cevada, Cynar, vermouth dry, bitter de chocolate e bitter de limão, e um gelo esculpido em forma de diamante embedado, minha gente… Também tomei um boulevardier (bourbon, Campari e vermouth tinto) maravilhoso, que não está na carta. Soube então que há mais 20 releituras de clássicos no sistema, que você pode pedir, se for mais conservador nos sabores. Entendo e respeito quem é fiel aos clássicos, mas não perca a oportunidade de conhecer os novos, valem cada gota.

No mais, fui para conhecer o bar e beber. Mas o Tan Tan é famoso pela cozinha e, como por lá, sob a gestão de Mesquita no bar, receber bem é regra, provei duas entradas: Otoshi (um conjunto de quatro petiscos ‘do dia’ deliciosos) e Kare Korokke (croquete de porco e curry, com maionese de cominho). Pensa numa pessoa feliz…