logo
/ Divulgação/Band / Divulgação/Band
Colunistas 20/10/2020

No fundo da cueca

Só faltava mesmo dinheiro na cueca no Senado porque gente investigada por dinheiro de corrupção na instituição não é novidade. Ainda pior é o Chico Cueca” dizer que vai explicar a origem do dinheiro. Não precisa, pois a gente já sabe que é dinheiro sujo (parte dele estava entre as nádegas, lá mesmo).

Diz a polícia que não divulga a imagem porque é constrangedora. E não é constrangedor para o povo brasileiro ser roubado tanto e todo dia? O senador, com bons advogados, vai acabar provando que é normal esconder tanto dinheiro assim. Aliás, ele nem foi o primeiro a usar esta prática.

Lembram do cara do PT que escondeu dólares neste tipo de cofre? O roubo é tamanho que a grana acaba saindo, ou entrando, por todo lugar desta gente, que além de tudo não tem vergonha na cara. Se acham este dinheiro ali, imaginam o que estes caras não têm em carros, fazendas, casas e em paraísos fiscais mundo afora.

No fim, o presidente do Senado, Davi Alcolumbre, vai engavetar ou nem mesmo processo interno vai ser aberto e o Chico, de cueca novinha, vai voltar ao seu lugar Congresso brasileiro recebido de braços abertos pelos seus colegas, muitos deles investigados, processados mas quase nunca condenados. Afinal, como se diz no interior, gambá cheira gambá.


Acompanhe José Luiz Datena nas redes sociais:
Facebook  |  Twitter  |  Instagram

Colunas anteriores:
Até tu, Marco Aurélio
A conta é nossa