Colunistas

Comprar empresas ativas?

bruno-caetanoConheço um empresário que em pouco mais de dez anos abriu e fechou quatro restaurantes em São Paulo, sempre optando por adquirir empreendimentos em funcionamento. Ele se desfez de um deles, por exemplo, porque havia problemas com a documentação e não quis correr o risco de ser multado e ter as portas cerradas de uma hora para outra. Essa situação serve para levantar algumas questões. Vale a pena adquirir um empreendimento já existente em vez de começar um novo?

Assumir uma empresa ativa é aceitar algo pronto. Não dá para iniciar do zero e moldá-la do seu jeito; no máximo, fazer adaptações. É preciso analisar se o negócio à venda vem numa ascendente ou está em decadência. No primeiro caso, o preço será maior e você tem de estar preparado para manter o crescimento. Mesmo assim, certifique-se se há espaço para continuar expandindo ou se chegou ao limite. Se estiver em decadência, qual o motivo? Não há demanda pelo produto ou foi mal gerenciado?  Nesta hipótese, você deve estar seguro de que tem condições de reerguê-lo.

Para não cair na mesma situação que o mencionado dono dos restaurantes, cheque como está a parte burocrática do negócio. Verifique se o recolhimento de impostos está em dia, se tem alvará de funcionamento, veja o contrato de locação do imóvel, contrato dos sócios, se está tudo regularizado com os funcionários, se os livros contábeis estão escriturados e registrados, se há pendências em órgãos como Vigilância Sanitária e Cetesb (conforme a natureza da atividade), enfim, veja em que pé está toda a papelada. Informe-se sobre dívidas com bancos, fornecedores e consulte Serasa e Procon.

Chegamos ao ponto crucial: quanto vale a empresa? Isso depende dos ativos tangíveis (imóvel, equipamento, estoque, contas a receber e a pagar, empréstimos etc.) e dos intangíveis (marca, clientes, estágio em que está no mercado etc.). Considere para o cálculo a capacidade de o negócio gerar lucro (líquido). Muito comum é a aquisição do ponto comercial ou fundo de comércio, em que o comprador assume o estabelecimento comercial de uma empresa que fechou ou mudou de endereço (vale lembrar que ele não se torna sócio).  São muitos aspectos envolvidos e o Sebrae-SP pode ajudar. Procure um de nossos escritórios para agir com mais segurança.

Tags

Últimas Notícias


Nós recomendamos