logo
Colunistas
Colunistas 01/04/2015

Quem tem medo da CPI?

fernando-carreiro-colunistaResponda rápido: quantas são e quais os nomes das CPIs, Comissões Parlamentares de Inquérito, em andamento no Congresso Nacional? Uma mais fácil? Quais são aos CPIs instaladas na Assembleia Legislativa do Estado, nos dois meses de trabalhos do Poder Legislativo? Difícil? Então, mais uma: Qual foi a última vez em que uma dessas comissões legislativas, instaladas sempre que se quer pressionar o governo e/ou um segmento empresarial, surtiu qualquer efeito prático para a política e decisivo para o Estado Democrático de Direito? Nobre leitor, certamente você não soube responder rapidamente nem com tanta precisão as perguntas acima. E esse não é um problema exclusivamente seu. ‘O brasileiro tem memória curta: a cada 15 anos o Brasil esquece o que aconteceu nos últimos 15 anos’, disse certa vez o jornalista e escritor Ivan Lessa. Ademais, algumas dessas CPIs (que poderiam, facilmente, se chamar CPIVs, ou Comissões Para Inglês Ver) têm nomes pomposos e ameaçadores, mas não têm efeito prático algum que não seja ganhar espaço na imprensa e fazer cócegas na democracia. São CPIs que dificilmente investigam a fundo qualquer coisa; e, quando chegam próximas da verdade, a bola é chutada para o Judiciário marcar o gol, e este, quase sempre, perde a bola na marca do pênalti. É que são tantos os recursos, é tanta morosidade, que dá até preguiça… CPI da Petrobras, CPI do HSBC, CPI da Máfia das Próteses, CPI do Pó Preto, CPI da Máfia dos Guinchos, CPI do Transcol, CPI da Sonegação de Impostos… Todas estas, ativas, deveriam preocupar políticos e empresas. A verdade é que essas comissões já nascem refratárias, engessadas para salvar a pele de quem interessa. Querem um exemplo? O relator da CPI da Petrobras é o deputado federal Luiz Sérgio, do PT-RJ. A comissão investiga os desvios de dinheiro público ocorridos na Petrobras, sobretudo no governo do PT, e o responsável por redigir o relatório com a conclusão das oitivas e investigações é petista. É ou não o país da piada pronta, como diria José Simão? Tem mais. Aqui no Estado, sob protestos e arroubos de projeção midiática, os deputados instalaram a CPI do Pó Preto. Um mês de trabalho completado na semana passada (e faltando mais dois para a conclusão da “investigação”), e, de concreto, palestras de servidores da Assembleia sobre o funcionamento de uma comissão. Pode parecer brincadeira de 1º de abril, mas é muita verdade!

Fernando Carreiro é jornalista especializado em comunicação eleitoral e marketing político.