logo
Colunistas
Colunistas 01/04/2015

Piffero demora, mas encerra a questão

leonardo-meneghetti-colunistaFim da especulação. Diego Aguirre é o técnico do Inter. Chega de onda. Acabem com esta ladainha de que o Inter quer trocar o comando técnico. A exclusiva entrevista de Vitorio Piffero à Rádio Bandeirantes, na segunda-feiras à noite, foi esclarecedora. Tudo bem que o presidente colorado tem mudado de ideia rapidamente nestes últimos tempos. Mas a conversa com o repórter João Batista Filho e o apresentador José Aldo Pinheiro abordou até este ponto. “Eu realmente estava destreinado. Me excedi e me expliquei dentro do vestiário”, referiu Píffero numa auto-crítica franca sobre manifestações recentes que fez sobre o time.

A entrevista realmente foi esclarecedora. “Eu assumi o treinador. Estou fechado com ele”, definiu o presidente colorado. Quem se manifesta desta forma não pode sequer cogitar uma troca na comissão técnica, independente do resultado do jogo contra a Universidad de Chile. “O Diego tem um percentual excepcional. Nossa conversa é maravilhosa”, afirmou e encerrou garantindo o treinador até 31 de dezembro.

Embora tardia, a manifestação do presidente foi reveladora. Ele está satisfeito com o trabalho do uruguaio. Portanto, especulações sobre este assunto são desnecessárias.

Respaldado pelo presidente, Aguirre precisa definir o esquema e colocá-lo em prática, com sequência. Não se justifica mais a preservação do time titular. É compreensível que se retire um ou outro jogador no Campeonato Gaúcho quando as condições físicas não forem as ideais. Mas o esquema precisa ser mantido, treinado. Só assim o Inter ganhará mecânica e os defeitos serão corrigidos.

 

Longo caminho –  O Grêmio não deverá ter dificuldades na caminhada que inicia hoje, em Campina Grande, pela Copa do Brasil. O time está entrosado, tem padrão tático, mas a qualidade ainda é duvidosa. Talvez seja suficiente para ter triunfos no Regional. Para competições de exigência nacional as dificuldades serão maiores. Não nestas fases iniciais. Quando chegar nas quartas-de-final o sapato aperta. O estilo de competição, eliminatório, poderá contribuir. Os torneios desta ordem são os preferidos de Felipão.

O debate que está nas ruas de Porto Alegre sobre quem é melhor hoje, Inter ou Grêmio, é estéril. Estão comparando o que exatamente? O Inter que joga o Gauchão com reservas e a Libertadores com titulares com o Grêmio dedicado ao Regional?

Isto simplesmente não existe. O Grêmio está mais acertado, é inegável. Mas também tem mais limites. O horizonte de crescimento é menor. E a exigência atual também. Possivelmente dentro de 30 dias teremos resposta para esta questão, na decisão do Gauchão. Desde já antecipo: são duas equipes com muitos defeitos. Com o futebol atual não arriscaria dizer que terão sucesso além do Campeonato Gaúcho.

Jornalista esportivo desde 1986, Leonardo Meneghetti foi repórter de rádio, TV e jornal e está no Grupo Bandeirantes desde 1994. Foi coordenador de esportes, diretor de jornalismo, e, desde 2005, é o diretor-geral da Band/RS. Diariamente, às 13h, comanda “Os Donos da Bola”, na Band TV. Escreve no Metro World News de Porto Alegre